30 de dez de 2011

CANTINHO DA MÚSICA

MENSAGEM DE ANO NOVO

Queridos e Queridas,



O vídeo acima traduz o nosso desejo de que 2012 seja um ANO DE MUITA PAZ! Paz de Espírito, Paz na consciência, Paz nas atitudes, Paz nos pensamentos, Paz nas palavras, Paz no seu coração!!!Pois como diz Nando Cordel: " A Paz do mundo começa em mim..."

Que tenhamos todos nós um 2012 cheio de boas realizações.
Com carinho,

Amigos do CEAO.

Colaboração de nossa companheira Eliane Fonseca.

27 de dez de 2011

MINUTOS DE SABEDORIA





24


SE alguém queixar-se da vida a seu lado, responda com palavras de encorajamento.Não aumente o peso a quem já sente demasiado o peso que carrega.Se alguém se lamenta da vida, procure mostrar os lados bons e belos da existência.Não contribua com suas própias lamentações para o desânimo do companheiro.Reanime-o com esperança e com bom ânimo, com palavras de incentivo e coragem.Talvez desse remédio dependa a cura de seu coração desa lentado.



Torres Pastorino

24 de dez de 2011

FELIZ NATAL

Que neste dia, possamos sintonizar os nossos corações em uma estação de paz, amor e de luz. Que Jesus possa ser lembrado, quando estivermos em família, e que a união se faça presente em nossos lares. Desejamos a todos vocês um Natal repleto de boas vibrações e reflexões positivas. Feliz Natal!!!

Amigos do CEAO

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
NAS ORAÇÕES DE NATAL

Rememorando o Natal, lembramo-nos de que Jesus é o Suprimento Divino à Necessidade Humana.
Para o Sofrimento, é o Consolo;
Para a Aflição, é a Esperança;
Para a Tristeza, é o Bom Ânimo;
Para o Desespero, é a Fé Viva;
Para o Desequilíbrio, é o Reajuste;
Para o Orgulho, é a Humildade;
Para a Violência, é a Tolerância;
Para a Vaidade, é a Singeleza;
Para a Ofensa, é a Compreensão;
Para a discórdia, é a Paz;
Para o egoísmo, é a Renúncia;
Para a ambição, é o Sacrifício;
Para a Ignorância, é o Esclarecimento;
Para a Inconformação, é a Serenidade;
Para a Dor, é a Paciência;
Para a Angústia, é o Bálsamo;
Para a Ilusão, é a Verdade;
Para a Morte, é a Ressurreição.
Se nos propomos, assim, aceitar o Cristo por Mestre e Senhor de nossos caminhos, é imprescindível recordar que o seu Apostolado não veio para os sãos e, sim, para os antigos doentes da Terra, entre os quais nos alistamos...
Buscando, pois, acompanhá-lo e servi-lo, façamos de nosso coração uma luz que possa inflamar-se ao toque de seu infinito amor, cada dia, a fim de que nossa tarefa ilumine com Ele a milenária estrada de nossas experiências, expulsando as sombras de nossos velhos enganos e despertando-nos o espírito para a glória
imperecível da Vida Eterna.

(Do livro "Os Dois Maiores Amores" - Francisco C. Xavier - Autores Diversos)

20 de dez de 2011

REFLEXÕES





NATAL DE JESUS


O mês de dezembro é muito especial! Comemoramos o Natal de Jesus. A benfeitora espiritual Joanna de Ângelis conta que seres angélicos, por amor ao Cristo, se aproximam da Terra e a psicosfera do planeta fica mais suave. O mundo cristão, neste mês, revive o dia do seu nascimento.
Os mais jovens talvez não conheçam o filme Ben Hur, um épico do cinema, vencedor de 11 estatuetas – o famoso “Oscar”. O filme (agora em DVD) tem início com a linda cena do nascimento de Jesus. Vale a pena conferir! É emocionante!

O Presépio:


Sempre gostei de presépios. Fazem lembrar do carpinteiro José, de sua esposa Maria, da estrela de Belém e da manjedoura que acolheu o menino tão esperado. Lembro também de Francisco, o “pobrezinho de Assis”, que no Natal de 1223, organizou numa gruta, local onde seria celebrada a Missa do Galo, uma reprodução das condições em que nasceu Jesus. Segundo conta a tradição, os moradores dos arredores levaram lanternas e velas e o bosque ficou todo iluminado. Francisco falou ao povo sobre o nascimento de Jesus e o significado do Natal. O momento foi tão inesquecível que no ano seguinte a cena se repetiu em vários lugares. Surgiu o presépio.
Séculos depois, Frei Fabiano de Cristo, no Rio de Janeiro, precisamente no largo da Carioca, no Convento de Santo Antonio, quis repetir Francisco. Na festa de Natal, Fabiano com a ajuda de algumas pessoas, organizou um presépio vivo, como Francisco havia feito. Os moradores quando souberam começaram a subir o morro onde ficava o convento, com pequenas lanternas, iluminando o caminho escuro. Fabiano aproveitou para falar de Jesus, o ilustre aniversariante e da importância do Natal.

O Tempo:
O tempo foi passando e o aniversariante foi sendo esquecido. No lugar dos presépios, representados nas lojas, praças ou nos shoppings surgiram casas com chaminés, meias penduradas nas janelas, neve, pacotes de presentes...E Jesus?
Li no jornal O Globo que, este ano, alguns shoppings no Rio e em São Paulo usarão O Sítio do Picapau Amarelo como tema de Natal. É uma homenagem aos 90 anos da publicação do primeiro livro de Monteiro Lobato, o grande escritor brasileiro, que merece ser homenageado. O Natal no Sítio é bem melhor do que a casa com lareira em dias de verão. Mas onde está o Menino Jesus, o aniversariante?

O significado do Natal:
“Natal é data sagrada,
Dia de paz e de luz,
Quando o mundo comemora
O nascimento de Jesus!”

Certa vez, participando com amigos que habitualmente fazem o Natal com moradores de rua, visitamos um senhor idoso, que em meio aos papelões de sua “casa” pediu que cantássemos “Noite Feliz”. Atendemos seu pedido. Foi um momento de muita emoção. As lágrimas começaram a rolar naquele rosto tão cansado! Sentimos as vibrações espirituais e uma sublime paz envolveu a todos naquele momento. Pouco tempo depois soubemos que “nosso vovô” havia desencarnado. Levou um “presente” tão singelo, mas saiu do coração. Ele queria ouvir falar de Jesus!

Algumas Casas Espíritas no dia 24 de dezembro abrem suas portas para uma reunião de preces pelo Natal. Uma feliz iniciativa para receber corações solitários que amam Jesus.




E os presentes?


Os presentes mais importantes são os abraços, as visitas fraternas, as trocas afetuosas de vibrações com os votos de paz, de alegria, de um Feliz Natal!”. Esse é o verdadeiro sentido do Natal!
Natal é convite à mudança! É possível mudar! Mudar dentro de nós, mudar no lar, na reunião familiar, não esquecendo os que estão na “manjedoura” até hoje. As ruas estão repletas de irmãos sem lar!
Que neste Natal a fraternidade franciscana tome conta dos nossos corações! Que a bandeira da caridade vivida por Fabiano de Cristo possa nos inspirar nessa mudança.
Meus amigos, confiemos em Jesus! Que Ele nos conceda a paz, e nos dê coragem e forças para realizarmos essa mudança, a caminho da Luz! Feliz Natal!



Fonte :Coluna Correio Mulher do Jornal Correio Espírita .

9 de dez de 2011

LANÇAMENTO DE LIVRO

O livro "Nossas Histórias", de Jayme Lobato, está sendo lançado pela Editora León Denis. A obra é composta por crônicas, que são o resultado dos temas que vão ao ar no Radioteatro Redenção, no programa Semeando Ideias. Fica a dica.

Estudando o" Livro dos Espíritos "

Parte Segunda – Mundo espírita ou dos espíritos
Capítulo 1 – dos Espíritos

Diferentes ordens de Espíritos

96 Os Espíritos são iguais ou há entre eles alguma hierarquia?
– Eles são de diferentes ordens, de acordo com o grau de perfeição a que chegaram.

97 Há um número determinado de ordens ou de graus de perfeição entre os Espíritos?
– O número é ilimitado. Não há entre essas ordens uma linha de demarcação como limite, e, assim, as divisões podem ser multiplicadas ou restringidas à vontade. No entanto, considerando-se as características gerais, podem reduzir-se a três principais.
Em primeiro lugar, os que chegaram à perfeição: os Espíritos puros. Os da segunda ordem são os que atingiram o meio da escala: o desejo do bem é sua preocupação. Os do último grau, ainda no início da escala, são os Espíritos imperfeitos, caracterizados pela ignorância, pelo desejo do mal e por todas as más paixões que retardam seu adiantamento.

98 Os Espíritos da segunda ordem têm apenas o desejo do bem, ou terão também o poder de praticá-lo?
– Têm esse poder segundo o grau de sua perfeição: uns têm a ciência, outros a sabedoria e a bondade, mas todos ainda têm provas a cumprir.

99 Os Espíritos da terceira ordem são todos essencialmente maus?
– Não; uns não fazem o bem nem o mal; outros, ao contrário, se satisfazem no mal e sentem prazer quando encontram a ocasião de o fazer. E há ainda os Espíritos levianos ou zombadores, mais brincalhões do que maus, que se satisfazem antes na malícia do que na maldade e que encontram prazer em mistificar e causar pequenas contrariedades das quais se riem.

4 de dez de 2011

REFLEXÕES

ALEGRIA

Alegria é o cântico das horas com que Deus te afaga a passagem no mundo.

Em toda parte, desabrocham flores por sorrisos da natureza e o vento penteia a cabeleira do campo com música de ninar.

A água da fonte é carinho liqüefeito no coração da terra e o próprio grão de areia, inundado de sol, é mensagem de alegria a falar-te do chão.

Não permitas, assim, que a tua dificuldade se faça tristeza entorpecente nos outros.

Ainda mesmo que tudo pareça conspirar contra a felicidade que esperas, ergue os olhos para a face risonha da vida que te rodeia e alimenta a alegria por onde passes.

Abençoa e auxilia sempre, mesmo por entre lágrimas.

A rosa oferece perfume sobre a garra do espinho e a alvorada aguarda, generosa, que a noite cesse para renovar-se diariamente, em festa de amor e luz.

Autor: Meimei
Psicografia de Chico Xavier

30 de nov de 2011

REUNIÕES PÚBLICAS

DEZEMBRO DE 2011

TERÇA - 14H

Dia 6 - Jesus - Ana Guimarães

Dia 13 - Afeição que os espíritos votam a certas pessoas (LE, 484 a 488) - Luiz Fernando

Dia 20 - A nostalgia do Natal - Jorge Braga

Dia 27 - A Caminho da Luz - Ângela Vidal


SEXTA - 20H

Dia 2 - Se fosse um homem de bem teria morrido (EV. Cap. V item 22) - Maria Fausta

Dia 9 - O bem e o mal (LE 629 a 634) - Karina

Dia 16 - Consolador Prometido (EV. Cap VI, itens 3 e 4) - Nilza Erich

Dia 23 - Reflexões para o Ano Novo - Francisco Junior

Dia 30 - Vida e ato dos apóstolos - Ângela Vidal


SÁBADO - 17:30

Dia 3 - Aprendendo com André Luiz - Wantuil Rodrigues

Dia 10 - O verdadeiro sentido do Natal - Gilberto Marques

Dia 17 - Solidão - Ananda Salerno

Dia 24 - Não haverá reunião

Dia 30 - Não haverá reunião

17 de nov de 2011

MOMENTO CEAO

Você está convidado para participar de uma palestra, no dia 26 de novembro, sobre o tema "Reencarnação, é possível provar", com Gerson Simões Monteiro, Vice-Presidente da Rádio RJ. Após o encontro, haverá espaço de autógrafos do livro do palestrante. A renda total das obras será direcionada ao Lar Anália Franco. O Centro Espírita Amaral Ornellas fica na Rua Doutor Leal, 76 - Engenho de Dentro. Mais informações pelo telefone 2594-6763. Estaremos aguardando a sua presença.

POR DENTRO DO MOVIMENTO ESPÍRITA

O Grupo Espírita Caminho da Esperança convida você para participar no dia 20 de novembro de um seminário sobre Sexualidade e Espiritualidade. Entre os assuntos que serão abordados pela expositora Anete Guimarães destacam-se:

- Fisiologia da Sexualidade;

- O mundo espiritual e a Sexualidade;

- Sexualidade e Reencarnação;

- Disfunções sexuais.

O evento será realizado de 10h às 17h. O Grupo Espírita Caminho da Esperança fica na Rua Aristides Lobo, 51 - Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ.

8 de nov de 2011

REFLEXÕES

AÇÃO DA AMIZADE

A amizade é o sentimento que imanta as almas unas às outras, gerando alegria e bem-estar.

A amizade é suave expressão do ser humano que necessita intercambiar as forças da emoção sob os estímulos do entendimento fraternal.

Inspiradora de coragem e de abnegação. a amizade enfloresce as almas, abençoando-as com resistências para as lutas.

Há, no mundo moderno, muita falta de amizade! O egoísmo afasta as pessoas e as isola. A amizade as aproxima e irmana.

O medo agride as almas e infelicita. A amizade apazigua e alegra os indivíduos. A desconfiança desarmoniza as vidas e a amizade equilibra as mentes, dulcificando os corações.

Na área dos amores de profundidade, a presença da amizade é fundamental. Ela nasce de uma expressão de simpatia, e firma-se com as raízes do afeto seguro, fincadas nas terras da alma.

Quando outras emoções se estiolam no vaivém dos choques, a amizade perdura, companheira devotada dos homens que se estimam.

Se a amizade fugisse da Terra, a vida espiritual dos seres se esfacelaria. Ela é meiga e paciente, vigilante e ativa. Discreta, apaga-se, para que brilhe aquele a quem se afeiçoa.

Sustenta na fraqueza e liberta nos momentos de dor. A amizade é fácil de ser vitalizada. Cultivá-la, constitui um dever de todo aquele que pensa e aspira, porquanto, ninguém logra êxito, se avança com aridez na alam ou indiferente ao elevo da sua fluidez.

Quando os impulsos sexuais do amor, nos nubentes, passam, a amizade fica. Quando a desilusão apaga o fogo dos desejos nos grandes romances, se existe amizade, não se rompem os liames da união.

A amizade de Jesus pelos discípulos e pelas multidões dá-nos, até hoje, a dimensão do que é o amor na sua essência mais pura, demonstrando que ela é o passo inicial para essa conquista superior que é meta de todas as vidas e mandamento maior da Lei Divina.

FONTE: Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Momentos de Esperança.
Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis.
LEAL.

ESTUDANDO "O LIVRO DOS ESPÍRITOS"

Parte Segunda – Mundo espírita ou dos espíritos Capítulo 1 – Dos Espíritos Perispírito

93 O Espírito, propriamente dito, não tem nenhuma cobertura, ou como pretendem alguns, é envolvido por alguma substância?

– O Espírito é envolvido por uma substância vaporosa para vós, mas ainda bem grosseira para nós; é suficientemente vaporosa para poder se elevar na atmosfera e se transportar para onde quiser.

☼ Assim como nas sementes o germe do fruto é envolvido pelo perisperma2, do mesmo modo o Espírito, propriamente dito, é revestido de um envoltório que, por comparação, pode-se chamar perispírito.

94 De onde o Espírito tira seu envoltório semimaterial?

– Do fluido universal de cada globo. É por isso que não é igual em todos os mundos. Ao passar de um mundo a outro, o Espírito muda de envoltório, como trocais de roupa.

94 a Assim, quando os Espíritos que habitam os mundos superiores vêm até nós, revestem-se de um perispírito mais grosseiro?

– É preciso que se revistam de vossa matéria, como já dissemos.

95 O envoltório semimaterial do Espírito tem formas determinadas e pode ser perceptível?

– Sim, tem a forma que lhe convém. É assim que se apresenta, algumas vezes, nos sonhos, ou quando estais acordados, podendo tomar uma forma visível e até mesmo palpável.

MOMENTO CEAO

7 de nov de 2011

ESPIRITISMO E ECOLOGIA

Entrevista do jornalista e orador espírita André Trigueiro concedida na última edição do "Reformador" de Outubro/2011:

André Trigueiro, autor do livro Espiritismo e Ecologia (FEB), considera que a Lei de Conservação de O Livro dos Espíritos é um tratado de sustentabilidade

Reformador: Como surgiu seu interesse em relacionar Espiritismo e Ecologia?

Trigueiro:
Sou espírita, jornalista interessado em sustentabilidade há pelo menos 20 anos, e tenho uma pós-graduação em Gestão Ambiental pela COPPE/UFRJ. A combinação desses fatores me precipitou na direção dessa linha de investigação. O livro – já na terceira edição – não esgota o assunto, mas deixa claro a razão pela qual nós espíritas devemos ter atenção redobrada nesta encarnação para com os limites do planeta que generosamente nos acolhe. A situação é difícil e a Humanidade é a responsável direta pela crise ambiental sem precedentes que experimentamos no momento. A educação para a sustentabilidade encerra princípios éticos e morais que são caros à Doutrina Espírita. Devo dizer que me incomodava muito uma certa distância que várias casas espíritas mantinham do tema “meio ambiente”, como se a exaltação dos valores espirituais nos eximisse de responsabilidade para com o que acontece aqui e agora em nossa casa planetária. Mas isso está mudando.

Reformador: Que destaque daria, em obras de Kardec, com relação ao tema?

Trigueiro:
Bem entendida, a posição assumida pelo Espiritismo em favor da vida – condenando o aborto, a eutanásia e o suicídio alcança também a dimensão planetária na condenação do ecocídio, ou seja, a capacidade de a Humanidade realizar escolhas que reduzem nossas possibilidades de existência nesse plano. Todo o capítulo de O Livro dos Espíritos que versa sobre a Lei de Conservação é um tratado de sustentabilidade. Quando a Doutrina estabelece a diferença entre o que é necessário e o que é supérfluo, e nos orienta em relação ao uso inteligente dos recursos naturais (“A Terra produziria sempre o necessário, se o homem soubesse contentar-se com o necessário”)1 há sinergia absoluta em relação aos modernos relatórios da ONU que condenam os atuais meios de produção e de consumo. Outro tema que me interessa muito é a influência de nossos sentimentos e pensamentos na qualidade da psicosfera terrena. Temos o poder de influenciar coletivamente a Natureza, através da qualidade e da intensidade de nossas vibrações. A Doutrina Espírita também reconhece o trabalho dos elementais, seres encarregados de proteger a Natureza e sustentar seus processos cíclicos. Outra informação valiosa remete à identificação visceral que temos com a Terra: somos feitos dos mesmos elementos que constituem o planeta, e isso vale para o corpo material ou o perispírito. “Do pó viestes para o pó voltareis” [Gênesis, 3:19] não é poesia bíblica, é Ciência. E o que acontece com a terra, o ar e a água, portanto, fora de nós, reverbera dentro de nós. Estamos todos conectados.

Reformador: Você relaciona eventuais desrespeitos ao meio ambiente às alterações climáticas?

Trigueiro:
O livro de nossa autoria traz informações atualizadas sobre a maior crise ambiental da História da Humanidade e como somos responsáveis por isso. Na verdade, somos parte do problema e devemos ser parte da solução. A crise climática é a mais preocupante e demanda soluções urgentes. Mas nossas atenções devem estar voltadas também para a destruição sistemática da biodiversidade, a produção monumental de lixo, a escassez de recursos hídricos, a transgenia irresponsável, o consumismo desvairado, o crescimento desordenado das cidades e outros problemas que fazem parte do nosso tempo e exigem respostas de nossa parte ainda nesta existência. O espírita está sendo convocado à ação aqui e agora. A maior nação espírita do planeta está situada no único país com nome de árvore, que concentra o maior estoque de água doce (superficial de rio ou subterrânea), a maior quantidade de solo fértil, o maior número de espécies conhecidas e catalogadas. Mera coincidência?

Reformador: Como os espíritas têm reagido ao seu livro e em eventos que participa?

Trigueiro:
Percebo enorme receptividade e acolhimento aos assuntos do livro. Tenho recebido muitas manifestações (especialmente em mensagens endereçadas pela Internet) de espíritas que usam o livro para palestras, trabalhos em mocidades, ou para orientar mudanças estruturais nas rotinas da própria instituição. É particularmente interessante a reação das pessoas à forma como abordamos a questão do consumo de carne. Se é verdade que o consumo de carne na alimentação é condizente com o nível evolutivo em que muitos de nós nos encontramos, também é verdade que isso não deve justificar o uso de métodos cruéis, dolorosos, que impõem sofrimento desnecessário aos nossos irmãos menos evoluídos da Criação.O Brasil é o maior produtor de proteína animal do mundo e muitos espíritas se surpreendem com o circo dos horrores que se esconde por detrás dessa indústria. Como eventuais consumidores de carne, devemos zelar pelo bem-estar animal e pelo que se convencionou chamar de “abate humanitário” (o nome é esquisito mas é assim mesmo).

Reformador: Que ações recomendaria aos espíritas?

Trigueiro:
Precisamos fazer agora tudo o que esteja ao nosso alcance em favor do uso responsável e ético dos recursos naturais não renováveis do planeta. Muitos espíritas se acomodam pelo fato de o mundo de regeneração estar a caminho. Supõem que não haja o que fazer em relação ao planeta, pois que o destino do orbe já está selado. Convém recordar as explicações de Santo Agostinho, em O Evangelho segundo o Espiritismo, sobre as diferentes categorias de mundos habitados. Ao explicar o que é o mundo de regeneração, Santo Agostinho confirma a condição de orbe mais evoluído ética e moralmente, entretanto, não há qualquer menção às qualidades ambientais deste mundo. Ou seja, podemos deduzir que os suprimentos de água limpa, solo fértil, ar puro, biodiversidade e as condições climáticas serão definidos a partir das escolhas que realizarmos agora, e que se persistirmos em não nos modificarmos nesta encarnação (hábitos, comportamentos, estilos de vida e padrões de consumo), poderemos determinar uma situação curiosa num futuro próximo: o planeta cuja vibração se eleva para hospedar uma humanidade mais evoluída ética e moralmente seria o mesmo destroçado ambientalmente. Não merecemos isso. Podemos reduzir drasticamente este risco se fizermos o dever de casa já. Sabendo usar, não vai faltar.

Reformador: A criança também poderia ser precocemente educada nesse sentido?

Trigueiro:
A criança deve ser educada para lidar com os desafios do mundo em que vive. Uma escola pública ou privada que ignore o senso de urgência que deve reger um projeto pedagógico comprometido com a sustentabilidade, é uma escola que não merece ser chamada de “instituição de ensino”. O mundo mudou muito nas últimas décadas. As escolas e universidades que não estiverem minimamente antenadas com esse novo tempo, não poderão formar cidadãos capacitados para enfrentar o que vem por aí.Convém buscar informação e entender o contexto civilizatório em que estamos inexoravelmente imersos.

Reformador: Uma mensagem ao leitor de Reformador.

Trigueiro:
Que o mundo será um dia um lugar melhor e mais justo, não há dúvida alguma. A grande questão ainda sem resposta é: haverá tempo para que esse mundo melhor e mais justo seja também um mundo ambientalmente sadio e agradável? Depende de nós. Qual a sua escolha?

Fonte: http://www.febnet.org.br/reformadoronline/pagina/?id=268

31 de out de 2011

REUNIÕES PÚBLICAS

NOVEMBRO DE 2011

TERÇA- 14H

DIA 01 - FINADOS- GILBERTO MARQUES

DIA 08- INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSO PENSAMENTO- LUIZ FERNANDO

DIA 15- BEM E MAL SOFRER- EV. CAP V ITEM 18 - LEDA LÚCIA

DIA 22- DANOS DO MATERIALISMO NA VIVÊNCIA ESPÍRITA-- DENISE DUARTE

DIA 29- A CAMINHO DA LUZ- ÂNGELA VIDAL


SEXTA- 20H


DIA 04- A FELICIDADE NÃO É DESSE MUNDO- EV CAP V ITEM 20- MARIA FAUSTA

DIA 11-O SIGNIFICADO DA CARIDADE-OTÁVIO LUIZ TRINDADE

DIA 18- MELHOR É VIVER EM FAMÍLIA-RICARDO MATOS

DIA 25-VIDA E ATOS DOS APÓSTOLOS- ANGELA VIDAL


SÁBADO - 17:30H

DIA 05- APRENDENDO COM ANDRÉ LUIZ- WANTUIL RODRIGUES

DIA 12- O MAL E O REMÉDIO - EV CAP. V ITEM 19 - MARIA CRISTINA

DIA 19- QUEM É MEDIUM - ANETE GUIMARÃES

DIA 26- REENCARNAÇÃO É POSSIVEL PROVAR-GERSON SIMÕES MONTEIRO

23 de out de 2011

POR DENTRO DO MOVIMENTO ESPÍRITA

Durante a XV Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, Nestor João Masotti, Presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB), entregou o livro "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho" à presidente Dilma Roussef. Psicografada por Chico Xavier e de autoria do espírito Humberto de Campos, a obra é “a revelação da missão coletiva de um país”, conforme descreve Emmanuel, no prefácio. Ditado em 1938 a Francisco Cândido Xavier, nele o autor, que em obras posteriores passou a utilizar o pseudônimo Irmão X, analisa fatos da História do Brasil objetivando demonstrar a missão evangelizadora da Nação e o acompanhamento feito por Jesus do seu processo evolutivo. A partir de dados colhidos no Plano Espiritual, tece comentários sobre a escravidão, os movimentos nativistas, a Independência, a Guerra do Paraguai, o Espiritismo e o Movimento Espírita no Brasil. Explica a missão da pátria brasileira como “coração espiritual da Terra”, evidenciada pela espontânea e enorme acolhida que a Doutrina Espírita, codificada por Allan Kardec, teve em nosso país, concitando o povo à prática do Evangelho de Jesus, a fim de irradiar à Humanidade a paz e a fraternidade.

Fontes:Aliança Municipal Espírita de Lavras e FEB

MINUTOS DE SABEDORIA

23

Trate com afabilidade a todos. O vizinho que senta a seu lado na condução não é seu inimigo, nem seu concorrente. Trata-se, sempre, de seu irmão, a quem você precisa acolher com simpatia. Não procure brigar, com ele, para conquistar maior. conforto: dê você mais conforto a ele. Mesmo insensivelmente, você receberá de volta as vibrações de
gratidão de seu coração.

TORRES PASTORINO

17 de out de 2011

MOMENTO CEAO


Documentário

ABRIGO DE LUZ


Em homenagem ao aniversário Amaral Ornellas, o Grupo de Arte Ramiro Gama apresenta o documentário Abrigo de Luz no Centro Espírita Amaral Ornellas, dia 22 de Outubro, sábado, às 18h30 no salão de reunião pública.

* Colabore com 1 k de alimento não perecível.

14 de out de 2011

REFLEXÕES

LESÕES AFETIVAS
Livro: Momentos de Ouro
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier


Um tipo de conselho raramente lembrado: o respeito que devemos uns aos outros na vida particular. Caro é o preço que pagamos pelas lesões afetivas que provocamos nos outros.

Nas ocorrências da Terra de hoje, quando se escreve e se fala tanto, em torno de amor livre e de sexo liberado, muitos poucos são os companheiros encarnados que meditam nas consequências amargas dos votos não cumpridos.

Se habitas um corpo masculino, conforme as tarefas que te foram assinaladas, se encontraste essa ou aquela irmã que se te afinou com o modo de ser, não lhe desarticules os sentimentos, a pretexto de amá-la, se não estás em condição de cumprir a própria palavra, no que tange a promessas de amor.

E se moras presentemente num corpo feminino, para o desempenho de atividades determinadas, se surpreendeste esse ou aquele irmão que se harmonizou com as tuas preferências, não lhe perturbes a sensibilidade sob a desculpa de desejar-lhe a proteção, caso não estejas na posição de quem desfruta a possibilidade de honorificar os próprios compromissos.

Não comeces um romance de carinho a dois, quando não possas e nem queiras manter-lhe a continuidade. O amor, sem dúvida, é lei da vida, mas não nos será lícito esquecer os suicídios e homocídios, os abortos e crimes na sombra, as retaliações e as injúrias que dilapidam ou arrasam a existência das vítimas, espoliadas do afeto que Ihes nutria as forças, cujas lágrimas e aflições clamam, perante a Divina Justiça, porque ninguém no mundo pode medir a resistência de um coração quando abandonado por outro e nem sabe a qualidade das reações que virão daqueles que enlouquecem, na dor da afeição incompreendida, quando isso acontece por nossa causa.

Certamente que muitos desses delitos não estão catalogados nos estatutos da sociedade humana; entretanto, não passam despercebidos nas Leis de Deus que nos exigem, quando na condição de responsáveis, o resgate justo.

Tangendo este assunto, lembramo-nos automaticamente de Jesus, perante a multidão e a mulher sofredora, quanto afirmou, peremptório: "aquele que estiver isento de culpa, atire a primeira pedra".

Todos nós, os espíritos vinculados à evolução da Terra, estamos altamente compromissados em matéria de amor e sexo, e, em matéria de amor e sexo irresponsáveis, não podemos estranhar os estudos respeitáveis nesse sentido, porque, um dia, todos seremos chamados a examinar semelhantes realidades, especialmente as que se relacionem connosco, que podem efectivamente ser muito amargas, mas que devem ser ditas.

10 de out de 2011

CANTINHO DA MÚSICA



SONATA AO LUAR-BEETHOVEN

Quem de nós não teve um momento de extremada dor?
Quem nunca sentiu, em algum momento da vida, vontade de desistir?
Quem ainda não se sentiu só, extremamente só, e teve a sensação de ter perdido o endereço da esperança!
Nem mesmo as pessoas famosas, ricas, importantes, estão isentas de terem seus momentos de solidão e profunda amargura...
Foi o que ocorreu com um dos mais reconhecidos compositores de todos os tempos, chamado Ludwig Van Beethoven, que nasceu no ano de 1770 em Bonn, Alemanha, e faleceu em 1827, em Viena, na Áustria.
Beethoven vivia um desses dias tristes, sem brilho e sem luz. Estava muito abatido pelo falecimento de um príncipe da Alemanha, que era como um pai para ele.
O jovem compositor sofria de grande carência afetiva. O pai era um alcoólatra contumaz e o agredia fisicamente. Faleceu na rua, por causa do alcoolismo.
Sua mãe morreu muito jovem. Seu irmão biológico nunca o ajudou em nada, e, além disso, cobrava-lhe aluguel da casa onde morava.
A tudo isto soma-se o fato de sua doença agravar-se. Sintomas de surdez começavam a perturbá-lo, ao ponto de deixá-lo nervoso e irritado.
Beethoven somente podia escutar usando uma espécie de trombone acústico no ouvido, o que seria para nós, hoje, um tipo de aparelho auditivo.
Ele carregava sempre consigo uma tábua ou um caderno, para que as pessoas escrevessem suas idéias e pudessem se comunicar, mas elas não tinham paciência para isto, nem para ler seus lábios.
Notando que ninguém o entendia nem o queriam ajudar, Ludwig se retraiu e se isolou. Por isso conquistou a fama de misantropo.
Foi por todas essas razões que o compositor caiu em profunda depressão.
Chegou a redigir um testamento dizendo que ia se suicidar.
Mas como nenhum filho de Deus está esquecido, vem a ajuda espiritual através de uma moça cega, que lhe fala quase gritando.
Ela morava na mesma pensão pobre, para onde Beethoven havia se mudado, e daria tudo para enxergar uma noite de luar...
Ao ouvi-la Beethoven se emociona até as lágrimas...
Afinal, ele podia ver! Ele podia escrever sua arte nas pautas...
A vontade de viver volta-lhe renovada e ele compõe uma das músicas mais belas da humanidade: Sonata ao luar.
No seu tema, a melodia imita os passos vagarosos de algumas pessoas.
Possivelmente os dele e os dos outros que levavam o caixão mortuário do príncipe, seu protetor.
Olhando para o céu prateado de luar, e lembrando da moça cega, como a perguntar o porquê da morte daquele mecenas tão querido, ele se deixa mergulhar num momento de profunda meditação transcendental...
Alguns estudiosos de música dizem que as três notas que se repetem insistentemente no tema principal do 1º movimento da Sonata, são as três sílabas da palavra por quê? ou outra palavra sinônima, em alemão.
Anos depois de ter superado o sofrimento, viria o incomparável Hino à alegria, da 9ª sinfonia, que coroa a missão desse notável compositor, já totalmente surdo.
Hino à alegria expressa a sua gratidão à vida e a Deus por não haver se suicidado.
Tudo graças àquela moça cega que lhe inspirou o desejo de traduzir, em notas musicais, uma noite de luar...
Usando sua sensibilidade Beethoven retratou, através da melodia, a beleza de uma noite banhada pelas claridades da lua, para alguém que não podia ver com os olhos físicos...

***
A música desperta na alma impressões de arte e de beleza que são o júbilo e a recompensa dos espíritos puros, uma participação na vida divina em seus deleites e seus êxtases.
A música, melhor do que a palavra representa o movimento, que é uma das leis da vida; por isso ela é a própria voz do mundo superior.
Porém, unida a palavras malsãs, a música não é mais do que um instrumento de perversão, um veículo de torpeza que precipita a alma nas baixas sensualidades, corrompendo os costumes.
Pense nisso, e busque alimentar sua alma com melodias que expressem arte e beleza, que falem do bom e do belo.

FONTE :Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em história narrada pelo músico Enrique Baldovino e em algumas frases do livro "O Espiritismo na Arte", de Léon Denis.

9 de out de 2011

ESTUDANDO "O LIVRO DOS ESPÍRITOS"

Parte Segunda – Mundo espírita ou dos espíritos
Capítulo 1 – dos Espíritos
Forma e ubiqüidade1 dos Espíritos

88 Os Espíritos têm uma forma determinada, limitada e constante?
– A vossos olhos, não; aos nossos, sim. O Espírito é, se quiserdes, uma chama, um clarão ou uma centelha etérea.

88 a Essa chama ou centelha tem uma cor qualquer?
– Para vós, ela varia do escuro ao brilho do rubi, conforme seja o Espírito mais ou menos puro.

☼ É costume representarem-se os gênios com uma chama ou uma estrela sobre a fronte. É uma alegoria que lembra a natureza essencial dos Espíritos. Coloca-se no alto da cabeça, porque é aí a sede da inteligência.

89 Os Espíritos gastam algum tempo para percorrer o espaço?
– Sim; porém, rápido como o pensamento.

89 a O pensamento não é a própria alma que se transporta?
– Quando o pensamento está em algum lugar, a alma está também, uma vez que é a alma que pensa. O pensamento é um atributo da alma.

90 O Espírito que se transporta de um lugar a outro tem consciência da distância que percorre e dos espaços que atravessa, ou é subitamente transportado para o lugar aonde quer ir?
– Ocorrem ambas as coisas. O Espírito pode muito bem, se o quiser, se dar conta da distância que percorre, mas essa distância pode também não ser sentida e até completamente despercebida. Isso depende de sua vontade e de sua natureza mais ou menos depurada.

91 A matéria oferece algum obstáculo aos Espíritos?
– Não, eles penetram em tudo: o ar, a terra, as águas e até mesmo o fogo lhes são igualmente acessíveis.

92 Os Espíritos têm o dom da ubiqüidade, ou, em outras palavras, o mesmo Espírito pode se dividir ou estar em vários pontos ao mesmo tempo?
– Não pode haver divisão do mesmo Espírito. Mas cada um é um centro que se irradia para diferentes lados e é por isso que parece estar em muitos lugares ao mesmo tempo. Vedes o Sol, é apenas um e, entretanto, irradia-se em todos os sentidos e leva seus raios para muito longe. Apesar disso, não se divide.

92 a Todos os Espíritos se irradiam com o mesmo poder?
– Longe disso. Isso depende do grau de pureza de cada um.

Cada Espírito é uma unidade indivisível, mas cada um deles pode estender seu pensamento para muitos lugares sem com isso se dividir. É apenas nesse sentido que se deve entender o dom da ubiqüidade atribuído aos Espíritos; como uma centelha que projeta ao longe sua claridade e pode ser percebida de todos os pontos do horizonte; ou, ainda, como um homem que, no mesmo lugar e sem se dividir, pode transmitir ordens, sinais e movimento para diferentes pontos.

3 de out de 2011

ANIVERSÁRIO DE KARDEC

Você sabia que hoje, dia 3 de outubro de 2011, comemoramos o 207º aniversário de nascimento de Allan Kardec? Por isso, disponibilizamos abaixo um texto sobre a vida do codificador da Doutrina Espírita. É de importância mencionar que a biografia é de autoria da União das Sociedades Espíritas de São Paulo:

"Allan Kardec, pseudônimo de Hippolyte Leon Denizard Rivail, (1804 - 1869) foi o codificador do Espiritismo. Nasceu a 3 de outubro de 1804 em Lyon (França). Tornou-se educador e entusiasta do ensino, tendo sido várias vezes convidado por Pestalozzi para assumir a direção da escola, na sua ausência. Durante 30 anos (de 1824 a 1854), dedicou-se inteiramente ao ensino e foi autor de várias obras didáticas, que em muito contribuíram para o progresso de educação, naquela época.

Em 1855, o prof. Rivail depara, pela primeira vez, com o fenômeno das mesas que giravam, saltavam e corriam, em condições tais que não deixavam lugar para qualquer dúvida. Passa então a observar estes fenômenos; pesquisa-os cuidadosamente, graças ao seu espírito de investigação, que sempre lhe fora peculiar, não elabora qualquer teoria pré-concebida, mas insiste na descoberta das causas. Aplica a estes fenômenos o método experimental com o qual já estava familiarizado na função de educador; e, partindo dos efeitos, remonta às causas e reconhece a autenticidade daqueles fenômenos. Convenceu-se da existência dos espíritos e de sua comunicação com os homens.

Grande transformação se opera na vida do prof. Rivail: convencido de sua condição de espírito encarnado, adota um nome já usado em existência anterior, no tempo dos druidas: Allan Kardec. De 1855 a 1869, consagrou sua existência ao Espiritismo; sob a assistência dos Espíritos Superiores, representados pelo Espírito da Verdade, estabelece as bases da Codificação Espírita, em seu tríplice aspecto: Filosófico, Científico e Religioso.

Além das obras básicas da Codificação(Pentateuco Kardequiano), contribuiu com outros livros básicos de iniciação doutrinária, como: O que é o Espiritismo, O Espiritismo na sua mais simples expressão, Instruções práticas sobre as manifestações espíritas e Obras Póstumas. A estas obras junta-se a Revista Espírita, “jornal” de estudos psicológicos, lançado a 1º de janeiro de 1858 e que esteve sob sua direção por 12 anos.

É também de sua iniciativa a fundação da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, em 1º de abril de 1858 - primeira instituição regularmente constituída com o objetivo de promover estudos que favorecessem o progresso do Espiritismo. Assim surgiu o Espiritismo: com a ação dos Espíritos Superiores, apoiados na maturidade moral e cultural de Allan Kardec, no papel de codificador.

Com a máxima "Fora da caridade não há salvação", procura ressaltar a igualdade entre os homens, perante Deus, a tolerância, a liberdade de consciência e a benevolência mútua. E a este princípio cabe juntar outro: "Fé inabalável é aquela que pode encarar a razão face à face, em todas as épocas da humanidade". Esclarece Allan Kardec: "A fé raciocinada que se apóia nos fatos e na lógica, não deixa qualquer obscuridade: crê-se, porque se tem certeza e só se está certo, quando se compreendeu".

Denominado "o bom senso encarnado" pelo célebre astrônomo Camille Flammarion, Allan Kardec desencarnou aos 65 anos, a 31 de março de 1869. Em seu túmulo, no cemitério de Père Lachaise (Paris), uma inscrição sintetiza a concepção evolucionista da Doutrina Espírita: "Nascer, Morrer, Renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei".

Fonte: União das Sociedades Espíritas de São Paulo
Site: http://pensador.uol.com.br/autor/allan_kardec/biografia/

2 de out de 2011

QUADRINHOS ESPÍRITAS

O ilustrador espírita Wilton Pontes tem um blog com vários quadrinhos espíritas. Hoje, trouxemos um deles para que você possa refletir sobre a importância do Evangelho no Lar, mesmo quando ele é feito apenas por um só indivíduo. Para ler mais quadrinhos, clique aqui.

30 de set de 2011

REUNIÕES PÚBLICAS

REUNIÕES DE OUTUBRO DE 2011

TERÇAS-FEIRAS- 14H

DIA 04- Os falsos profetas da erraticidade - EV Cap XXI item 10 - Maria Lúcia

Dia 11- Dupla vista - LE 447 a 454 - Luiz Fernando

Dia 18- A 3ª Idade e o Espiritismo - Hemínia San Gil

Dia 25 - A Caminho da Luz- Ivone Maria



SEXTAS-FEIRAS - 20H

DIA 07- A pena de morte- Jadiel João Batista

Dia 14 - A infãncia- LE 379 a 385 - Adriano Almeida

Dia 21 - Coragem da fé- EV Cap XXIV itens 13 a 16 - Aida Paulo

Dia 28- Vida e Atos do Apóstolos - Ângela Vidal


SÁBADOS - 17:30H

Dia 01- 75º aniversário da Juventude Espírita Amaral Ornellas - JEAO

Dia 08 - Aborto- Simone Figueiredo

Dia 15 - A Cólera-EV Cap IX , item 10 - Iara Cordeiro

Dia 22- Allan Kardec, vida e obra- Gilberto Marques

Dia 29 - Meimei, uma biografia - Sonia Alvarenga

25 de set de 2011

BIOGRAFIA


AUTA DE SOUZA

Nasceu em Macaíba, então Arraial, depois cidade do Rio Grande do Norte a 12 de setembro de 1876, era magrinha, calada, de pele clara, um moreno doce à vista como veludo ao tato. Era filha de ELOI CASTRICIANO DE SOUZA, desencarnado aos 38 anos de idade e de Dona HENRIQUETA RODRIGUES DE SOUZA, desencarnada aos 27 anos, ambos tuberculosos. Antes dela ter completado 3 anos ficou órfã de mãe e aos 4 anos de pai. A sua existência, na terra foi assinalada por sofrimentos acerbos. Muito cedo conheceu a orfandade e ainda menina, aos dez anos, assistiu a morte de seu querido irmão IRINEU LEÃO RODRIGUES DE SOUZA, vitimado pelo fogo produzido pela explosão de um lampião de querosene, na noite de 16 de fevereiro de 1887.

Auta de Souza e seus quatro irmãos foram criados em Recife no velho sobrado do Arraial, na grande chácara, pela avó materna Dona SILVINA MARIA DA CONCEIÇÃO DE PAULA RODRIGUES, vulgarmente chamada Dindinha e seu esposo FRANCISCO DE PAULA RODRIGUES, que desencarnou quando Auta tinha 6 anos.

Antes dos 12 anos, foi matriculada no Colégio São Vicente de Paulo, no bairro da Estância, onde recebeu carinhosa acolhida por parte das religiosas francesas que o dirigiam e lhe ofereceram primorosa educação: Literatura, Inglês, Música, Desenho e aprendeu a dominar também o Francês, o que lhe permitiu ler no original: Lamartine, Victor Hugo, chateubriand, Fénelon.

De 1888 a 1890, a jovem Auta estuda, recita, verseja, ajuda as irmãs do Colégio, aprimora a beleza de sua fé, na leitura constante do Evangelho.

Aos 14 anos, ainda no Educandário Estância, em 1890, manifestaram-se os primeiros sintomas da enfermidade que lhe roubou, em plena juventude, o viço e foi a causa de sua morte, ocorrida na madrugada de 7 de fevereiro de 1901 - Quinta-feira à uma hora e quinze minutos, na cidade de Natal, exatamente com 24 anos, 4 meses e 26 dias de idade. Os médicos nada puderam fazer e Dindinha retornou com todos para a terra Norte-Rio Grandense. Ei-los todos em Macaíba. Foi sepultada no cemitério do Alecrim e em 1906, seus restos mortais foram transladados para o jazigo da família, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Macaíba, sua terra natal.

O forte sentimento religioso e mesmo a doença não impediram de ter uma vida absolutamente normal em sociedade.

Era católica, mas não submissa ao clero. Ela não se macerou, não sarjou de cilícios a pele, não jejuou e jamais se enclastou. Era comunicativa, alegre, social. A religiosidade dela era profunda, sincera, medular, mas não ascética, mortificante, mística. Seu amor por Jesus Cristo, ao Anjo da Guarda, não a distanciaram de todos os sonhos das donzelas: Amor, lar, missão maternal. Com 16 anos, ao revelar o seu invulgar talento poético, enamorou-se do jovem Promotor Público de Macaíba, João Leopoldo da Silva Loureiro, com a duração apenas de um ano e poucos meses. Dotada de aguda sensibilidade e imaginação ardente dedicava ao namorado amor profundo, mas a tuberculose progredia e seus irmãos convenceram-na a renunciar. A separação foi cruel, mas apenas para Auta. O Promotor não demonstrou a menor reação.... É verdade que gostava de ouvi-la nas festas caseiras a declamar com sua belíssima voz envolvente, aveludada e com ela dançar quadrilhas, polcas e valsas, mas não era o homem indicado para amar uma alma tão delicada e sonhadora como Auta de Souza. Faltava-lhe o refinamento espiritual para perceber o sentimento que extravasava através dos olhos meigos da grande Poetisa.

Essa sucessão de golpes dolorosos, marcou profundamente sua alma de mulher, caracterizada por uma pureza cristalina, uma fé ardente e um profundo sentimento de compaixão pelos humildes, cuja miséria tanto a comovia. Era vista lendo para as crianças pobres, para humildes mulheres do povo ou velhos escravos, as páginas simples e ingênuas da "História de Carlos Mágno", brochura que corria os sertões, escrita ao gosto popular da época.

A orfandade da Poetisa ainda criança, o desencarne trágico de seu irmão, a moléstia contagiosa e a frustração no amor, esses quatro fatores amalgamados à forte religiosidade de Auta, levaram-na a compor uma obra poética singular na História da Literatura Brasileira "Horto", seu único livro, é um cântico de dor, mas, também, de fé cristã. A primeira edição do Horto saiu do prelo em 20 de Junho de 1900.

O sofrimento veio burilar a sua inata sensibilidade, que transbordou em versos comovidos e ternos, ora ardentes, ora tristes, lavrados à sombra da enfermidade, no cenário desolador do sertão de sua terra.

Em 14 de novembro de 1936, houve a instalação da Academia Norte-Rio Grandense de Letras, com a poltrona XX, dedicada a Auta de Souza.

Livre do corpo, totalmente desgastado pela enfermidade, Auta de Souza, irradiando luz própria, lúcida e gloriosa alçou vôo em direção à Espiritualidade Maior. Mas a compaixão que sempre sentira pêlos sofredores fez com que a poetisa em companhia de outros Espíritos caridosos, visitasse, constantemente a crosta da terra. Foi através de Chico Xavier, que ela, pela primeira vez revelou sua identidade, transmitindo suas poesias enfeixadas em 1932, na primeira edição do "PARNASO DE ALÉM TÚMULO", lançado pela Federação Espírita Brasileira.

Em sua existência física, Auta de Souza foi a AVE CATIVA que cantou seu anseio de liberdade; o coração resignado que buscou no Cristo o consolo das bem-aventuranças prometidas aos aflitos da terra. Além do túmulo, é o pássaro liberto e feliz que, tornado ao ninho dos antigos infortúnios, vem trazer aos homens a mensagem de bondade e esperança, o apelo à FÉ e a CARIDADE, indicando o rumo certo para a conquista da verdadeira vida.

A Campanha de Fraternidade Auta de Souza, idealizada pelo companheiro Nympho de Paula Corrêa e aprovada em 3 de fevereiro de 1953, pelo Departamento de Assistência Social da Federação Espírita do Estado de São Paulo, então dirigido pelo saudoso confrade José Gonçalves Pereira, é uma bela homenagem à nossa querida Poetisa, AUTA DE SOUZA.

FONTE :http://www.espiritismogi.com.br/biografias/auta.htm

19 de set de 2011

O FILME DOS ESPÍRITOS



Elenco: Nelson Xavier, Reinaldo Rodrigues, Etty Fraser, Ênio Gonçalves, Ana Rosa, Alethea Ruas, Sandra Corveloni e participação especial de Luciana Gimenez.
Direção: André Marouço e Michel Dubret
Gênero: Drama
Distribuidora: Paris Filmes
Estreia: 7 de Outubro de 2011

Sinopse: Após perder a esposa e a caminho do suicídio, um homem se depara com “O Livro dos Espíritos” e começa uma jornada de transformação interior rumo aos mistérios da vida espiritual e suas influências no mundo material. » Livremente baseado em O Livro dos Espíritos, escrito por Allan Kardec em 1857

13 de set de 2011

Estudando o" Livro dos Espíritos "


Parte Segunda – Mundo espírita ou dos espíritos
Capítulo 1 – dos Espíritos

Mundo normal primitivo


84 Os Espíritos constituem um mundo à parte, fora daquele que vemos?
– Sim, o mundo dos Espíritos ou das inteligências incorpóreas.

85 Qual dos dois é o principal na ordem das coisas: o mundo espiritual ou o mundo corporal?
– O mundo espiritual, que preexiste e sobrevive a tudo.

86 O mundo corporal poderia deixar de existir, ou nunca ter existido, sem alterar a essência do mundo espiritual?
– Sim, eles são independentes e, entretanto, sua correlação é incessante, porque reagem incessantemente um sobre o outro.

87 Os Espíritos ocupam uma região determinada e circunscrita no espaço?
– Os Espíritos estão em todos os lugares, povoam infinitamente os espaços. Estão sempre ao vosso lado, vos observam e agem entre vós sem os perceberdes, porque os Espíritos são uma das forças da natureza e os instrumentos dos quais Deus se serve para a realização de Seus desígnios providenciais. Mas nem todos vão a todos os lugares, porque há regiões interditadas aos menos avançados.

12 de set de 2011

REFLEXÕES


PRECE POR ENTENDIMENTO
Senhor Jesus!
Auxilia-nos a compreender mais, a fim de que possamos servir melhor, já que somente assim as bênçãos que nos
concedes podem fluir, através de nós, em nosso apoio e em favor de todos aqueles que nos compartilham a existência.
Induze-nos à prática do entendimento que nos fará observar os valores que, porventura, conquistemos, não na condição
de propriedade nossa e sim por manancial de recursos que nos compete mobilizar no amparo de quantos ainda não
obtiveram as vantagens que nos felicitam a vida.
E ajuda-nos, oh! Divino Mestre, a converter as oportunidades de tempo e trabalho com que nos honraste em serviço aos
semelhantes, especialmente na doação de nós mesmos, naquilo que sejamos ou naquilo que possamos dispor, de
maneira a sermos hoje melhores do que ontem, permanecendo em Ti, tanto quanto permaneces em nós, agora e sempre.
Assim seja.

Espírito: EMMANUEL
Médium: Francisco Cândido Xavier
Livro "Paciência"- Edição C.E.U

8 de set de 2011

POR DENTRO DO MOVIMENTO ESPÍRITA


MÊS DA FRATERNIDADE /SETEMBRO 2011

11/09 - Palestra 1
TEMA : Tragédias Coletivas
PALESTRANTE : Marcus Alberto de Mário
LOCAL: Centro Espírita Amaral Ornellas
ENDERÇO :R. Dr. Leal, 76 , Engenho de Dentro
HORÁRIO : das 15h às 18h
RECEPÇÃO E AMBIENTAÇÃO : a partir de 14:30h
PÚBLICO ALVO : Frequentadores das Casas Espíritas
Obs : Não é necessária inscrição prévia

_____________________________________________________________________________________

18/09 - Palestra 2
TEMA : O Melhor é Viver em Família
PALESTRANTE : Eridinéia Cordeiro Costa
LOCAL: Centro Espírita Deus, Luz e Verdade
ENDEREÇO: R. Pernambuco, 1197, Encantado
HORÁRIO : das 15h às 18h
RECEPÇÃO E AMBIENTAÇÃO : a partir de 14:30h
PÚBLICO ALVO : Frequentadores das Casas Espíritas
Obs : Não é necessária inscrição prévia

_____________________________________________________________________________________

25/09- Encontro De Coordenadores de ESDE
TEMA :O Coordenador de ESDE e a Liderança Com Jesus
LOCAL : Amparo Thereza Cristina
ENDEREÇO:R.Magalhães Castro, 201, Riachuelo
HORÁRIO : de 9h às 13h
RECEPÇÃO : a partir de 8h
PÚBLICO ALVO : presidentes, todos os dirigentes dos centros espíritas, coordenadores de ESDE.
OBS : 1 : Café da manhã gratuito no local.
OBS : 2 : É necessária inscrição prévia. Via ficha de inscrição ou Via internet em www.nacional.edu.br/stat/15o-ceu/

Conselho Espírita do Estado do Rio de janeiro
15º Conselho Espírita de Unificação
Sede Provisória : Amparo Thereza Christina
R. Magalhães Castro, 201 , Riachelo

6 de set de 2011

A INFLUÊNCIA DE JESUS NA FORMAÇÃO DA PÁTRIA BRASILEIRA




Palestra proferida por : Geraldo Guimarães
Aracaju/SE
04/11/2000


Segundo Emmanuel e outros benfeitores espirituais que dirigem o movimento espírita brasileiro, há 5 bilhões de anos atrás, Jesus, um espírito perfeito, com seus colaboradores, foi encarregado de desenvolver a evolução de uma parte da explosão solar que Ele denominou planeta Terra.

Na Era Quaternária, pediu a Deus que abençoasse o seu trabalho e a Terra toda foi envolvida pelo gérmen da vida, pelos seres unicelulares, que Ele desenvolveu construindo toda a flora e fauna do planeta.

Nesse processo, surgiu o homem, que recebeu, desde o início, a sua ajuda divina, para desenvolver-se cada vez mais, buscando a perfeição.

Trouxe habitantes de outros mundos, principalmente do sistema de Cabra ou Capela, espíritos altamente desenvolvidos intelectual, tecnológica e cientificamente, sem valores morais definidos, que habitaram o nosso planeta nas eras primitivas, ajudando a desenvolver a cerebração e o corpo dos terrestres, corpos que eles habitaram durante alguns milênios, criando as grandes civilizações do passado, nas quais reaprenderam a viver com dignidade, resgatando o pretérito infeliz e habilitando-se a voltar para as plagas siderais.

Jesus, o governador da Terra, sempre esteve atento, manipulando as vidas, as sociedades, as nações, promovendo as experiências e modificações indispensáveis à evolução moral, intelectual e espiritual dos homens. Quando necessário, criou nações e povos, retirou homens de umas plagas para outras, ajuizando a vida segundo seus critérios divinos.

Deixou uma parte física da Terra para ser descoberta no futuro, quando Ele deveria estabelecer as bases de uma nova era na história do pensamento.

As Américas se tornaram os depósitos de esperanças para o futuro, onde Ele colocou povos especializados. Na América do Norte os antigos romanos, que estruturaram uma nação poderosa, baseada eminentemente no direito, no respeito às leis.

Na parte do sul, ele criou um país continental, o Brasil, em cuja intimidade fez nascer espíritos de várias culturas, de várias nações, construindo uma nação heterogênea, fortalecida na paz e na simplicidade pelos benfeitores espirituais e divinos, que aguardavam o momento para estabelecer a verdadeira missão do Brasil: Coração do Mundo, Pátria do Evangelho.

A nação brasileira, muito rica em valores naturais, será o celeiro de recursos para os povos mais pobres do planeta e já é um celeiro imenso de riquezas espirituais.

Através da revelação espírita que esclarece o ser humano sobre a sua origem, a sua natureza, o seu destino e o verdadeiro sentido da vida, afirmando que Deus existe, o criador do Universo, que o homem é constituído de corpo e de espírito. Corpo perecível, espírito eterno.

Vivendo duas expressões de uma mesma vida: a material e a espiritual, permitindo o intercâmbio entre os dois mundos, a continuidade da vida e do amor, a evolução através das reencarnações, a mais bela página da justiça que a humanidade conheceu, pois permite através das vidas sucessivas, a renovação de todos os valores, o resgate de todos os equívocos e o desenvolvimento do ser divino, pois todo espírito foi criado um dia simples e ignorante, à imagem e semelhança de Deus.

No momento certo, Jesus transferiu a doutrina espírita nascente, que se constituirá na França para as terras do Brasil, construindo aqui o celeiro de riquezas espirituais para toda a Terra.

Desse país, se derrama sobre o orbe a filosofia espírita, a mais liberal filosofia que o mundo já conheceu, que respeita todas as experiências terrestres, ajudando as criaturas a compreender o verdadeiro sentido da vida, no momento em que ela, experiente e madura, desperta para a consciência plena e para a sua participação como herdeiro de Deus na construção de uma nova era.

Jesus envolve a terra brasileira nas suas bênçãos, para que ela cumpra seus objetivos e as suas metas, assim como nos mais variados períodos da história envolveu nações e povos para que cumprissem os seus objetivos.

Hoje, o Brasil é o grande exportador do cristianismo redivivo, nas suas teses abençoadas, que valorizam a Terra, as nações, todos os povos e todos os seres. Ecologia ambiental, ecologia social e ecologia pessoal.

Este é um momento muito especial. Ainda segundo os benfeitores da espiritualidade maior, a Terra se aproxima de uma nova era. O novo século que se inicia é a aurora de um mundo novo. Teremos o século da arte, o século da religião, o século do amor, segundo disse Divaldo Pereira Franco.

Espíritos notáveis, lidadores do progresso, já estão reencarnados e se reencarnando, para que o novo milênio comece com alternativas felizes para que o homem levante bem alto a chama da esperança.

Dizem que dentro de 50 anos, aproximadamente, a beleza dos vates renascentistas renascerá na Terra. A religião e o amor se transformarão em grandes alternativas de felicidade.

Acreditamos que a descoberta do eu, essa viagem que se faz no presente ao mundo interior, o século da consciência desperta, permitirá a criatura ver-se na sua origem, compreender a sua natureza, visualizar o seus destino, aceitando-se como homem material e, acima de tudo, como homem espiritual e Deus como o grande condutor da vida.

Diz Joanna de Ângelis que a bênção da Doutrina Espírita hoje é oportunidade que não pode ser desconsiderada e que o amor é o hálito de Deus fecundando a vida. Muita Paz! E obrigado! (t)

Fonte : www.espirito.org.br

31 de ago de 2011

47ª Semana Confraternativa dos Centros Espíritas do Méier e Adjacências


A "Senama Confraternativa dos Centros Espíritas do Méier e Adjacências " tem o prazer de convidar a todos, para homenagearmos a Bezerra de Menezes e Allan Kardec, divulgando o Espiritismo e incentivando a confraternização entre os homens !

Dia 01/09- 5ª feira- 20h
CENTRO ESPÍRITA AMARAL ORNELLAS
Expositor- Bernardo Marques dos Santos
Tema : " O Paralítico de Kiev- livro "Ressureição e Vida" de Ivone Pereira


Dia 02/09-6ª feira- 20h
GRÊMIO ESPÍRITA NAZARENO
R.Gustavo Riedel, 63- Engenho de Dentro- Tel : 3502-6910
Expositora : Ana Maria
Tema: " Bem - aventurados os que tem puro o coração"- Ev. Cap VIII


Dia 03/09- Sábado-17:h
GRUPO ESPÍRITA DISCÍPULOS DE FRANCISCO DE PAULA"
R. Dionísio Fernandes, 280- Engenho de Dentro
Expositor: Hamilton Batista
Tema : Bem-aventurados os aflitos- Ev- Cap V


Dia 04/09- Domingo-15h30
UNIÃO ESPÍRITA SUBURBANA
Rua Oldegard Sapucaia, 13 -Méier- Tel: 2593-3746
Apresentação do Coral das Avozinhas "Carlos Alberto Soares"
Expositora :Denise Duarte
Tema : " Danos do Materialismo na Vivência Espírita"

30 de ago de 2011

POR DENTRO DO MOVIMENTO ESPÍRITA


O Espiritismo na Bienal do Livro


Marcada para acontecer de 1 a 11 de setembro no Rio de Janeiro, a 15a Bienal do Livro contará mais uma vez com a participação de diversas editoras e distribuidoras espíritas. Entre elas, a Federação Espírita Brasileira, instalada num estande de 300 metros quadrados, situado entre as ruas E8/F7 do Riocentro.

A Bienal terá ainda a participação de nomes conhecidos do movimento espírita, como Divaldo Pereira Franco que, no dia 7, visitará os estandes da Associação de Editoras, Distribuidoras e Divulgadores do Livro Espírita (Adeler) e da FEB, para sessões de autógrafo, respectivamente, às 14h e às 16h, proferindo palestra às 18h.

O Riocentro fica na Avenida Salvador Allende, 6.555, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade. Informações de como chegar, a localização das demais editoras espíritas no Riocentro, assim como a programação completa do evento, em www.bienaldolivro.com.br

Fonte :www.ceerj.org.br

28 de ago de 2011

REUNIÕES PÚBLICAS

REUNIÕES PÚBLICAS DE SETEMBRO DE 2011


TERÇAS às 14h

Dia 6 - "Conhece-se a árvore pelo fruto- Ev Cap. XXI itens 1 a 3 - Leda Lúcia

Dia 13 -" Caridade e amor ao Próximo"- LE 886 à 889 - Luiz Fernando

Dia 20 - " "A eficácia da prece" - Edna Paes

Dia 27 - Estudo do livro "A Caminho da Luz" - Cap. XII


SEXTAS, ás 20h

Dia 02 - " Missão dos Espíritas " Ev Cap. XX item 4 - Maria Fausta

Dia 09 - "Brasil, Pátria do Evangelho"- Francisco Júnior

Dia 16 - "Influência oculta dos espíritos" - Odiléia Carvalho

Dia 23 - "Oferecer a outra face" - Pierre Ferraz

Dia 30 - "Vida e atos dos Apóstolos" - Ângela Vidal



Sábados, às 17h30

Dia 03 - Aprendendo com André Luiz- Estudando o livro "Libertação"-Wantuil Rodrigues

Dia 10 - "Obreiro do bem" EV Cap. XX item 5 - Ivone Maria

Dia 17 - Família, testemunho Cristão - Ricardo Matos

Dia 24 - A Pisicologia de Jesus - George Abreu de Souza





25 de ago de 2011

ANIVERSÁRIO DO CEAO

Você já parou para pensar sobre o objetivo de um Centro Espírita? O que determina se o trabalho é feito com amor ou apenas mecanicamente? Hoje, data em que comemoramos 88 anos do nosso CEAO, disponibilizamos um texto sobre o assunto, ditado por Emmanuel e psicografado por Chico Xavier. Que possamos refletir sobre o conteúdo da mensagem e que o Pai Celeste continue abençoando todos nós.

CENTRO ESPÍRITA

É uma unidade basilar, como verdadeira célula da ação programática do Movimento Espírita, constituindo-se não só como um educandário de Espíritos, mas também como um atuante templo de orações e de fraterna vivência evangélica, através de uma conjugação de atividades beneméritas. É a abençoada instituição de cultivo do amor entre as criaturas encarnadas e desencarnadas, um santuário de reeducação espiritual.

Podemos imaginar este núcleo educativo e posto de socorro (...) na complexidade de uma usina e laboratório, hospital e escola, núcleo de pesquisas e célula de experiências valiosas, onde o coração e o cérebro se entreguem a inadiáveis tarefas de abnegação e fraternidade, de equilíbrio e união, de estudo e luz. (...)

É também um (...) posto de socorro espiritual e material (...)acolhendo (...) desde a criança (...) até os velhos, necessitados ou não de assistência e fraternidade. É templo, é casa de oração, é recanto de paz, acolhendo os desesperados, os angustiados, os revoltados. (...)

É uma alegria constatar que, no Brasil, o idealismo, o anseio da prática da caridade em seus multiformes aspectos e a firme vontade de propagar a Doutrina têm sido as alavancas propulsoras da fundação e sustentação das instituições espíritas. (...)

O papel que o Centro Espírita deve desempenhar é primordialmente o de operar a propagação da Doutrina Espírita para a renovação do homem, integrando-o no grupo familiar, com vistas ao progresso moral e espiritual da sociedade. (...) Como escolas de formação espiritual e moral que devem ser, desempenham papel relevante na divulgação do Espiritismo e no atendimento a todos os que nele buscam orientação e amparo. (...)

Cabe ao Centro Espírita, ainda, a responsabilidade (...) de mobilizar todos os recursos possíveis à instrução, orientação, alertamento e educação dos encarnados, seja na infância, na mocidade, na madureza ou na velhice, a fim de que se desincumbam com êxito de suas tarefas. (...)

Incumbe-lhe mais a atribuição de promover, em clima de harmonia, a Unificação. Recomenda o opúsculo Orientação ao Centro Espírita, que todo o Centro deve se unir com o propósito de confraternização, permutando experiências para o aprimoramento das próprias atividades e das realizações comuns. A este propósito, estarão os Centros observando a própria orientação sugerida por Kardec ao escrever. (...) Esses grupos, correspondendo-se entre si, visitando-se, permutando observações, podem, desde já, formar o núcleo da grande família espírita, que um dia, consorciará todas as opiniões e unirá os homens por um único sentimento: o da fraternidade, trazendo o cunho da caridade cristã.(...)

Da relevância das suas atribuições, da magnitude da sua missão, através de suas múltiplas atividades atuais, ressalta toda a imensurável e notável importância de seu papel no Mundo Contemporâneo, tão envolto em graves crises e tormentosas convulsões sociais.

Em verdade, ao aplicar a Doutrina, ensinando e promovendo a sua prática pelo exercício contínuo da lei de amor, atendendo aos necessitados, O Centro Espírita estará realizando o que de mais edificante e altaneiro podia alcançar: a evolução moral e espiritual do homem e da Humanidade, conduzindo ambos ao reino de luz, de paz e de bem-estar geral. Por tudo isso, bem se pode aquilatar de sua inestimável e insuperável importância.

O Centro Espírita desenvolve múltiplas realizações agrupadas em atividades básicas, administrativas, de comunicação e de unificação. As atividades que se relacionam com o objetivo da Doutrina são as básicas, discriminadas atualmente em Orientação ao Centro Espírita (obra citada) na seguinte ordem:

01. Promover o estudo metódico e sistemático da Doutrina Espírita e do Evangelho à luz do Espiritismo.

02. Promover a evangelização da criança à luz da Doutrina.

03. Incentivar a orientação da juventude na teoria e na prática doutrinária, integrando-a em suas tarefas.

04. Divulgar a Doutrina Espírita através do livro.

05. Promover o estudo da mediunidade, orientando as atividades mediúnicas.

06. Desenvolver atividades de assistência espiritual, mediante a utilização dos recursos oferecidos pela Doutrina, inclusive reuniões privativas de desobsessão.

07. Manter um trabalho de atendimento fraterno, pelo diálogo, com orientação e esclarecimento às pessoas que buscam o Centro.

08. Promover serviço de assistência social espírita, assegurando suas características beneficentes, preventivas e promocionais.

09. Incentivar e orientar a instituição do Culto do Evangelho no Lar.

Além destas, mais as atividades de ordem administrativa, através do trabalho de equipe, as atividades de comunicação, inclusive divulgação do Esperanto e, afinal, atividades de unificação, conjugando esforços e somando experiências com as demais instituições congêneres da mesma localidade ou região, de modo a evitar paralelismo ou duplicidade de realizações.

Bibliografia:
Estudos Sistematizados da Doutrina Espírita - FEB - Programa I - Edição 1996

XAVIER, Francisco Cândido. In: Fonte Viva. Ditado pelo Espírito Emmanuel.

20 ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 1995, lição 139, p. 31
2.

22 de ago de 2011

88 ANOS DO CEAO

O saudoso Chico Xavier resumiu em uma única frase o objetivo das casas espíritas: "O Centro Espírita foi feito para evangelizar, consolar e esclarecer". Aos olhos de uns, pode parecer uma tarefa ingrata a de consolar tantos corações que estão em busca de respostas. Para outros, no entanto, os obstáculos diários são motivados pela certeza inquebrantável da presença constante da espiritualidade em nossas vidas. Nesse sentido, é com alegria que celebraremos, no dia 25 de agosto, os 88 anos do Centro Espírita Amaral Ornellas. E para comemorar essa data tão especial, gostaríamos de convidar você para participar de nossa programação semanal:

23 de agosto, terça-feira, 14h - Tributo a Amaral Ornellas
Palestrante: Jurema Célia

26 de agosto, sexta-feira, 20h - Vida e ato dos apóstolos
Palestrante: Angela Vidal

27 de agosto, sábado, 17:30 - Os desfaios do espírita no século XXI
Palestrante: André Trigueiro
OBS: Após a palestra, haverá venda de livros com autógrafos da 3ª edição da obra Espiritismo e Ecologia com dois capítulos novos: Ecologia na obra de Chico Xavier e Repara a Natureza, mensagem de Emmanuel psicografada por Chico em 1953.

17 de ago de 2011

CANTINHO DA POESIA

OUVE

AMARAL ORNELLAS- Livro Antologia dos Imortais- Psicografia de Francisco Candido Xavier

Escuta! Enquanto a paz da oração te domina,
Qual melodia excelsa, a fremir, doce e mansa,
Há quem padeça e morra à míngua de esperança,
Rogando amparo, em vão, no lençol de neblina.

Ouve! A sombra tem voz que clama e desatina...
É a provação que ruge... A dor que não descansa...
Desce do pedestal da fria segurança,
Transfigura a bondade em fonte cristalina.

Estende o coração!... Serve, instrui, alivia...
Das sementes sutis de ternura e alegria
Prepararás, agora, o jardim do futuro...

Um dia, voltará à pátria de onde vieste
E apenas colherás na luz do Lar Celeste
O que dás de ti mesmo ao solo do amor puro.


14 de ago de 2011

MINUTOS DE SABEDORIA

22

Cumprimente a seus amigos com alegria. Muitas vezes, uma simples saudação alegre e espontânea conquista um coração e consola a dor. A saudação triste e acabrunhada pode instilar veneno num coração alegre. Derrame alegria e bondade, ao encontrar uma pessoa conhecida, e já terá conquistado os benefícios de uma boa ação meritória. Que seus amigos sintam o calor de seu coração afetuoso no simples cumprimento alegre.

Torres Pastorino

7 de ago de 2011

REFLEXÕES

CASAMENTO E COMPANHEIRISMO

O resultado natural do amor entre pessoas de sexos diferentes é o casamento, quando se tem por meta a comunhão física, o desenvolvimento daemoção psíquica, o relacionamento gerador da família e o companheirismo.

O matrimônio representa um estágio de alto desenvolvimento do Self, quando se reveste de respeito e consideração pelo cônjuge, firmando-se na fidelidade e nos compromissos da camaradagem em qualquer estágio da união que os vincula, reciprocamente, um ao outro ser.

Conquista da monogamia, através de grandes lutas, o instinto vem sendo superado pela inteligência e pela razão, demonstrando que o sexo tem finalidades específicas, não devendo a sua função ser malbaratada nos jogos do prazer incessante, e significa uma auto-realização da sociedade, que melhor compreende os direitos da pessoa feminina, que deixa de ser um objeto para tornar-se nobre e independente quanto é. O mesmo ocorre em relação ao esposo, cabendo à mulher o devido cumprimento dos deveres de o respeitar, mantendo-se digna em qualquer circunstância e época após o consórcio.

Mais do que um ato social ou religioso, conforme estabelecem algumas Doutrinas ancestrais, vinculadas a dogmas e a ortodoxias, o casamento consolida os vínculos do amor natural e responsável, que se volta para a construção da família, essa admirável célula básica da humanidade.

O lar é, ainda, o santuário do amor, no qual, as criaturas se harmonizam e se completam, dinamizando os compromissos que se desdobram em realizações que dignificam a sociedade. Por isso, quando o egoísmo derruba os vínculos do matrimônio por necessidades sexuais de variação, ou porque houve um processo de saturação no relacionamento, havendo filhos, gera-se um grave problema para o grupo social, não menor do que em relação a si mesmo, assim como àquele que fica rejeitado.

Certamente, nem todos os dias da convivência matrimonial serão festivos, mas isso ocorre em todos os campos do comportamento. Aquilo que hoje tem um grande sentido e desperta prazer, amanhã, provavelmente, se torna maçante, desagradável. Nesse momento, a amizade assume o seu lugar, amenizando o conflito e proporcionando o companheirismo agradável e benéfico, que refaz a comunhão, sustentando a afeição.

Em verdade, o que mantém o matrimônio não é o prazer sexual, sempre fugidio, mesmo quando inspirado pelo amor, mas a amizade, que responde pelo intercâmbio emocional através do diálogo, do interesse nas realizações do outro, na convivência compensadora, na alegria de sentir-se útil e estimado. Há muitos fatores que contribuem para o desconcerto conjugal na atualidade, como os houve no passado. Primeiro, os de natureza íntima: insegurança, busca de realização pelo método da fuga, insatisfação em relação a si mesmo, transferência de objetivos, que nunca se completarão em uma união que não foi amadurecida pelo amor real. Segundo, por outros de ordem psico-social, econômica, educacional, nos quais estão embutidos os culturais, de religião, de raça, de nacionalidade, que sempre comparecem como motivo de desajuste, passados os momentos de euforia e de prazer.

Ainda se podem relacionar aqueles que são conseqüências de interesses subalternos, nos quais o sentimento do amor esteve ausente. Nesses casos, já se iniciou o compromisso com programa de extinção, o que logo sucede. Há, ainda, mais alguns que são derivados do interesse de obter sexo gratuitamente, quando seja solicitado, o que derrapa em verdadeira amoralidade de comportamento. O matrimônio, fomentando o companheirismo, permite a plenificação do par, que passa a compreender a grandeza das emoções profundas e realizadoras, administrando as dificuldades que surgem, prosseguindo com segurança e otimismo.

Nos relacionamentos conjugais profundos também podem surgir dificuldades de entendimento, que devem ser solucionadas mediante a ajuda especializada de conselheiro de casais, de psicólogos, da religião que se professa, e, principalmente, por intermédio da oração que dulcifica a alma e faculta melhor entendimento dos objetivos existenciais. Desse modo, a tolerância toma o lugar da irritação, a compreensão satisfaz os estados de desconforto, favorecendo com soluções hábeis para que sejam superadas essas ocorrências.

É claro que o casamento não impõe um compromisso irreversível, o que seria terrivelmente perturbador e imoral, em razão de todos os desafios que apresenta, os quais deixam muitas seqüelas, quando não necessariamente diluídos pela compreensão e pela afetividade. A separação legal ocorre quando já houve a de natureza emocional, e as pessoas são estranhas uma à outra.

Ademais, a precipitação faz com que as criaturas se consorciem não com a individualidade, o ser real, mas sim, com a personalidade, a aparência, com os maneirismos, com as projeções que desaparecem na convivência, desvelando cada qual conforme é, e não como se apresentava no período da conquista.

Essa desidentificação, também conhecida como o cair da máscara, causa, não poucas vezes, grandes choques, produzindo impactos emocionais devastadores. O ser amadurecido psicologicamente procura a emoção do matrimônio, sobretudo para preservar-se, para plenificar-se, para sentir-se membro integrante do grupo social, com o qual contribui em favor do progresso.

A sua decisão reflete-se na harmonia da sociedade, que dele depende, tanto quanto ele se lhe sente necessário. Todo compromisso afetivo, portanto, que envolve dois indivíduos, torna-se de magna importância para o comportamento psicológico de ambos. Rupturas abruptas, cenas agressivas, atitudes levianas e vulgaridade geram Lesões na alma da vítima, assim como naquele que as assume .

Fonte: Amor Imbatível Amor, de Joanna de Ângelis, psicografado por Divaldo Franco

5 de ago de 2011

ESTUDANDO "O LIVRO DOS ESPÍRITOS"

Parte Segunda – Mundo espírita ou dos espíritos
Capítulo 1 – dos Espíritos

Origem e natureza dos Espíritos

76 Que definição se pode dar dos Espíritos?
– Pode-se dizer que os Espíritos são os seres inteligentes da Criação. Eles povoam o universo, fora do mundo material.

☼ Nota: A palavra Espírito é empregada aqui para designar a individualidade e não mais o elemento inteligente universal.

77 Os Espíritos são seres distintos da Divindade ou seriam somente emanações ou porções da Divindade e chamados, por essa razão, filhos de Deus?
– Meu Deus! São obras de Deus. Exatamente como um homem que faz uma máquina, essa máquina é a obra do homem, mas não é ele próprio. Quando o homem faz uma coisa bela, útil, a chama sua filha, sua criação. Pois bem! Ocorre o mesmo com Deus: somos seus filhos, porque somos sua obra.

78 Os Espíritos tiveram um princípio, ou são como Deus, de toda a eternidade?
– Se os Espíritos não tivessem tido um princípio, seriam iguais a Deus. São sua criação e submissos à Sua vontade. Deus existe de toda a eternidade, isso é incontestável. Mas saber quando e como nos criou, não sabemos nada. Podeis dizer que não tivemos princípio, se entenderdes com isso que Deus, sendo eterno, tem criado sem descanso. Mas quando e como cada um de nós foi criado, repito, ninguém o sabe: esse é o mistério.

79 Uma vez que há dois elementos gerais no universo: o inteligente e o material, pode-se dizer que os Espíritos são formados do elemento inteligente, como os corpos inertes são formados do elemento material?
– É evidente. Os Espíritos são a individualização do princípio inteligente, como os corpos são a individualização do princípio material. A época e o modo dessa formação é que são desconhecidos.

80 A criação dos Espíritos é permanente, ou só ocorreu no início dos tempos?
– É permanente, Deus nunca parou de criar.

81 Os Espíritos se formam espontaneamente, ou procedem uns dos outros?
– Deus os cria, como a todas as outras criaturas, por sua vontade. Mas, repito mais uma vez, sua origem é um mistério.

82 É exato dizer que os Espíritos são imateriais?
– Como podemos definir uma coisa quando não temos termos de comparação e com uma linguagem insuficiente? Pode um cego de nascença definir a luz? Imaterial não é bem a palavra, incorpóreo seria mais exato, porque deveis compreender bem que o Espírito, sendo uma criação, deve ser alguma coisa. É uma matéria puríssima, mas sem comparação ou semelhança para vós, e tão etérea que não pode ser percebida pelos vossos sentidos.

Dizemos que os Espíritos são imateriais, porque sua essência difere de tudo o que conhecemos como matéria. Uma comunidade de cegos não teria termos para exprimir a luz e seus efeitos. O cego de nascença acredita ter todas as percepções pela audição, pelo olfato, pelo paladar e pelo tato. Ele não compreende as idéias que lhe dariam o sentido que lhe falta. Do mesmo modo, em relação à essência dos seres sobre-humanos, somos como verdadeiros cegos. Podemos defini-los somente por comparações sempre imperfeitas, ou por um esforço de nossa imaginação.

83 Compreende-se que o princípio de onde emanam os Espíritos seja eterno, mas o que perguntamos é se sua individualidade tem um fim e se, num dado momento, mais ou menos longo, o elemento do qual são formados se dispersa e retorna à massa de onde saiu, como acontece com os corpos materiais. É difícil compreender que uma coisa que começou não possa acabar. Os Espíritos têm um fim?
– Há coisas que não compreendeis, porque a vossa inteligência é limitada. Mas isso não é razão para serem rejeitadas. A criança não compreende tudo o que seu pai compreende, nem o ignorante tudo o que compreende o sábio. Nós vos dizemos que a existência dos Espíritos não acaba; é tudo o que, por agora, podemos dizer.