23 de ago de 2012

REFLEXÕES




NA VIA PÚBLICA
A rua é um departamento importante da escola do mundo, onde cada criatura pode
ensinar e aprender.
Encontrando amigos ou simples conhecidos, tome a iniciativa da saudação, usando
cordialidade e carinho sem excesso.
Caminhe em seu passo natural dentro da movimentação que se faça precisa, como
se deve igualmente viver: sem atropelar os outros.
Se você está num coletivo, acomode-se de maneira a não incomodar os vizinhos.
Se você está de carro, por mais inquietação ou mais pressa, atenda às leis do trânsito
e aos princípios do respeito ao próximo, imunizando-se contra males suscetíveis de lhe
amargurarem por longo tempo.
Recebendo as saudações de alguém, responda com espontaneidade e cortesia.
Não detenha companheiros na vida pública, absorvendo-lhes tempo e atenção com
assuntos adiáveis para momento oportuno.
Ante a abordagem dessa ou daquela pessoa, pratique a bondade e a gentileza,
conquanto a pressa, freqüentemente, esteja em suas cogitações.
Em meio às maiores exigências de serviço, é possível falar com serenidade e
compreensão, ainda mesmo por um simples minuto.
Rogando um favor, faça isso de modo digno, evitando assobios, brincadeiras de
mau gosto ou frases desrespeitosas, na certeza de que os outros estimam ser tratados com o
acatamento que reclamamos para nós.
Você não precisa dedicar-se à conversação inconveniente, mas se alguém
desenvolve assunto indesejável é possível escutar com tolerância e bondade, sem ferir o
interlocutor.
Pessoa alguma, em sã consciência, tem a obrigação de compartilhar perturbações ou
conflitos de rua.
Perante alguém que surja enfermo ou acidentado, coloquemo-nos, em pensamento,
no lugar difícil desse alguém e providenciemos o socorro possível.







Sinal Verde pelo Espírito de André Luiz
Psicografado por Francisco Cândido Xavier

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comenta.