4 de dez de 2013

CANTINHO DA POESIA


Poema Divino!!! 

Pai nosso, que estás no céu, na terra, no fogo, na água e no ar. 

Pai nosso, que estás nas flores, no canto dos pássaros, no coração a pulsar; que estás na compaixão, na caridade, na paciência e no gesto de perdão. 

Pai nosso, que estás em mim, que estás naquele que eu amo, naquele que me fere, naquele que busca a verdade. 

Pai nosso, que estás naquele que caminha comigo e naquele que já partiu, deixando-me a alma ferida pela saudade. 

Santificado seja o Teu nome por tudo o que é belo, bom, justo e gracioso, por toda a harmonia da Criação. 

Sejas santificado por minha vida, pelas oportunidades tantas, por aquilo que sou, tenho e sinto e por me conduzir à perfeição. 

Venha a nós o Teu reino de paz e justiça, fé e caridade, luz e amor. 

Reino que sou convocado a construir através da mansidão de espírito, reflexo da grandeza interior. 

Seja feita a Tua vontade, ainda que minhas rogativas prezem mais o meu orgulho do que as minhas reais necessidades. 

Ainda que muitas vezes eu não compreenda mais do que o silêncio em resposta às minhas preces, não te ouvindo assim dizer: Filho aguarda, tua é toda a eternidade. O pão nosso de cada dia me dá hoje e que eu possa dividi-lo com meu irmão. 

As condições materiais que ora tenho de nada servem se não me lembro de quem vive na aflição. 

Pão do corpo, pão da alma, pão que é vida, verdade e luz. Pão que vem trazer alento e alegria: é o Evangelho de Jesus. 

Perdoa as minhas ofensas, os meus erros, as minhas faltas. Perdoa quando se torna frio meu coração; quando permito que o mal se exteriorize na forma de agressão. 

Que, mais do que falar, eu saiba ouvir. 
Que, ao invés de julgar, eu busque acolher. 
Que, não cultivando a violência, eu semeie a paz. 
Que, dizendo não às exigências em demasia, possa a todos agradecer. 

Perdoa-me, assim como eu perdoar àqueles que me ofenderem, mesmo quando meu coração esteja ferido pelas amarguras e dissabores da ingratidão. 

Possa eu, Senhor da Vida, lembrar de que nenhuma mágoa é eterna e de que o único caminho que me torna sublime é a humilde estrada da reconciliação. 

Não me deixes cair nas tentações dos erros, vícios e egoísmo, que me tornam escravo de minha malevolência. 

Antes, que Tua luz esteja sobre mim, iluminando-me, para que eu te encontre dentro de minh’alma, como parte que és de minha essência. 

E livra-me de todo o mal, de toda violência, de todo infortúnio, de toda enfermidade. Livra-me de toda dor, de toda mágoa e de toda desilusão. 

Mas ainda assim, quando tais dificuldades se fizerem necessárias, que eu tenha força e coragem de dizer: Obrigado, Pai, por mais esta lição! 

Redação do Momento Espírita

Um comentário:

Gostou? Comenta.