23 de fev de 2015

REFLEXŌES

Respostas do Alto


 
"E qual o pai dentre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?" - Jesus. (LUCAS, 11:11.)

 Nos círculos da fé, encontramos diversos corações extenuados e desiludidos. Referem-se à oração, à maneira de doentes desenganados quanto à eficácia do remédio, alegando que não recebem respostas do Alto.Entretanto, a meditação mais profunda lhes conferiria mais elevada noção dos Divinos Desígnios, entendendo, enfim, que o Senhor jamais oferece pedras ao filho que pede pão.Nem sempre é possível compreender, de pronto, a resposta celeste em nosso caminho de luta, no entanto, nunca é demais refletir para perceber com sabedoria.Em muitas ocasiões, a contrariedade amarga é aviso benéfico e a doença é recurso de salvação.Não poucas vezes, as flores da compaixão do Cristo visitam a criatura em forma de espinhos e, em muitas circunstâncias da experiência terrestre, as bênçãos da medicina celestial se transformam temporariamente em feridas santificantes.Em muitas fases da luta, o Senhor decreta a cassação de tempo ao círculo do servidor, para que ele não encha os dias com a repetição de graves delitos e, não raro, dá- lhe fealdade ao corpo físico para que sua alma se ilumine e progrida.Se a paternidade terrena, imperfeita e deficiente, vela em favor dos filhos, que dizer da Paternidade de Deus, que sustenta o Universo ao preço de inesgotável amor?O Todo-Compassivo nunca atira pedras às mãos súplices que lhe rogam auxílio.Se te demoras, pois, no seio das inibições provisórias, permanece convicto de que todos os impedimentos e dores te foram concedidos por respostas do Alto aos teus pedidos de socorro, amparo e lição, com vistas à vida eterna.

 XAVIER, Francisco Cândido. Vinha de Luz. Pelo Espírito Emmanuel. 14.ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1996. Capítulo 166.

18 de fev de 2015

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

SEGUNDA PARTE - CAP. VI
VIDA ESPÍRITA

II – Mundos Transitórios

234. Existem, como foi dito, mundos que servem de estações ou de lugares de repouso aos Espíritos errantes?
      — Sim, há mundos particularmente destinados aos seres errantes, mundos que eles podem habitar temporariamente, espécie de acampamentos, de lugares em que possam repousar de erraticidades muito longas, que são sempre um pouco penosas. São posições intermediárias entre os mundos, graduados de acordo com a natureza dos Espíritos que podem atingi-los, e que neles gozam de maior ou menor bem-estar.
234 – a) Os Espíritos que habitam esses mundos podem deixá-los à vontade?
     — Sim, os Espíritos que se encontram nesses mundos podem deixá-los, para seguir o seu destino. Figurai-os como aves de arribação descendo numa ilha, para recuperarem suas forças e seguirem avante.
235. Os Espíritos progridem durante essas estações nos mundos transitórios?
      — Certamente. Os que assim se reúnem têm o fito de se instruírem e poder mais facilmente obter a permissão de ir a lugares melhores até chegar à posição dos eleitos.
236. Os mundos transitórios são, por sua natureza especial, perpetuamente destinados aos Espíritos errantes?
      — Não, sua posição é apenas temporária.
236 – a) São eles ao mesmo tempo habitados por seres corpóreos?
      — Não, sua superfície é estéril. Os que os habitam não precisam de nada.
236 – b) Essa esterilidade é permanente e se liga à sua natureza especial?
      — Não; são estéreis transitoriamente.
236 – c) Esses mundos seriam, então, desprovidos de belezas naturais?
      — A Natureza se traduz, pelas belezas da imensidade, que não são menosadmiráveis do que as que chamais belezas naturais.
236 – d) Sendo transitório o estado desses mundos, a Terra terá um dia de estar entre eles?
      — Já esteve.
236. e) Em que época?
      — Durante a sua formação.
Comentário de Kardec: Nada existe de inútil na Natureza: cada coisa tem a sua finalidade, a sua destinação; nada é vazio, tudo é habitado, a vida se expande por toda parte. Assim, durante a longa série de séculos que se escoou antes da aparição do homem sobre a Terra, durante os lentos períodos de transição atestados pelas camadas geológicas, antes mesmo da formação dos primeiros seres orgânicos, sobre essa massa informe, nesse árido caos em que os elementos se confundiam, não havia ausência de vida. Seres que não tinham as nossas necessidades, nem as nossas sensações físicas, ali encontravam refúgio. Deus quis que, mesmo nesse estado imperfeito, ela servisse para alguma coisa. Quem, pois, ousaria dizer que, entre os bilhões de mundos que circulam na imensidade, apenas um, e um dos menores, perdido na multidão, teve o privilégio exclusivo de ser povoado? Qual seria a utilidade dos outros? Deus só os teria feito para recrear os nossos olhos? Suposição absurda, incompatível com a sabedoria que brilha em todas as suas obras, inadmissíveis quando se pensa em todas as que não podemos perceber. Ninguém poderá negar que há, nesta idéia dos mundos ainda impróprios para a vida material, e, entretanto, povoados de seres apropriados ao seu estado, alguma coisa de grande e sublime, onde talvez se encontre a solução de mais de um problema.

1 de fev de 2015

REUNIÕES PÚBLICAS

Terças - 14 h
DIA
TEMA
EXPOSITOR
03
Parábola da Ovelha Perdida
Sylvia Maria
10
Um Minuto com Jesus - pág. 153
Alice Maia
Esquecimento do passado - LE, 392 a 399
Luiz Fernando
17
Programação Especial

24
 Espíritas: amai-vos e instruí-vos
Nilza de Souza
Sextas - 20h
06
Simpatias e antipatias terrenas - LE, 386 a 391
Gilberto Marques
 13
Um Minuto com Jesus - pág. 151
Walkyria
O orgulho e a humildade - ESE, VII, 11 e 12
Nilza Erich
20
Influências espirituais nas relações familiares
Frederico G.Kramer
27
A família moderna
Ângela Vidal
Sábado – 17h:30min
07
Aprendendo com André Luiz - Entre a Terra e o Céu
Wantuil Rodrigues
14
Programação Especial

21
A terapêutica das emoções
Simone Figueiredo
28
Um Minuto com Jesus - pág.155
Elysa
Ação dos Espíritos nos fenômenos da natureza - LE, 536 a 540
Ivone Maria