27 de dez de 2016

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO VIII
EMANCIPAÇÃO DA ALMA
       419. Qual é a razão por que a mesma idéia, a de uma descoberta, por exemplo, surge ao mesmo tempo em muitos pontos?
       — Já dissemos que durante o sono os Espíritos se comunicam entre si.  Pois bem, quando o corpo desperta, o Espírito se recorda do que aprendeu e o homem julga ter inventado. Assim, muitos podem encontrar a mesma coisa ao mesmo tempo. Quando dizeis que uma idéia está no ar, fazeis uma figura mais exala do que pensais; cada um contribui, sem o suspeitar, para propagá-la.
Comentário de Kardec: Nosso Espírito revela assim, muitas vezes, a outros Espíritos e à nossa revelia aquilo que constitui o objeto das nossas preocupações de vigília.
      420. Os Espíritos podem comunicar-se, se o corpo estiver completamente  acordado?
      — O Espírito não está encerrado no corpo como numa caixa: ele irradia em todo o seu redor; eis porque pode comunicar-se com outros Espíritos, mesmo no estado de vigília, embora o faça mais dificilmente.
      421. Por que duas pessoas, perfeitamente despertas, têm, muitas vezes, instantaneamente, o mesmo pensamento?
      — São dois Espíritos simpáticos que se comunicam e vêem reciprocamente os seus pensamentos, mesmo quando não dormem.
Comentário de Kardec: Há entre os Espíritos que se afinam uma comunicação de pensamentos que faz que duas pessoas se vejam e se compreendam sem a necessidade dos signos exteriores da linguagem. Poderia dizer-se que elas falam a linguagem dos Espíritos.

24 de dez de 2016

NATAL


Algo Mais no Natal

Senhor Jesus!
Diante do Natal, que te lembra a glória da manjedoura, nós te agradecemos:
a música da oração;
o regozijo da fé;
a mensagem de amor;
a alegria do lar;
o apelo à fraternidade;
o júbilo da esperança;
a bênção do trabalho;
a confiança no bem;
o tesouro de tua paz;
a palavra da Boa Nova
e a confiança no futuro!…
Entretanto oh! Divino Mestre, de corações voltados para o teu coração, nós te suplicamos algo mais!…
Concede-nos, Senhor, o dom inefável da humildade, para que tenhamos a precisa coragem de seguir-te os exemplos!


XAVIER, Francisco Cândido. À Luz da Oração. Pelo Espírito Emmanuel. O Clarim.

4 de dez de 2016

TRAGÉDIAS COLETIVAS

Tragédias Coletivas (Novo Texto)
Divaldo Franco
Constantemente a humanidade é surpreendida por tragédias coletivas. Desde os fenômenos sísmicos às guerras, aos acidentes de várias ordens, demonstrando a fragilidade do ser humano ante as forças da natureza e as suas próprias paixões, que, amiúde, somos convidados a reflexionar em torno da transitoriedade carnal e sobre a continuidade da vida em outra dimensão.
Há poucos dias, um desastre aéreo de lamentáveis consequências feriu dezenas de famílias, ceifando vidas juvenis em plena busca da felicidade. Desejamos referir-nos ao acidente que arrebatou 71 vidas, especialmente de chapecoenses, deixando aflições inomináveis em muitos familiares e amigos.

Os conceitos filosóficos do materialismo diante do infortúnio não conseguem acalmar as ansiedades e as dores dos sentimentos vitimados pelas ocorrências infelizes do cotidiano, provocando, não raro, revolta e desespero.
Algumas correntes religiosas despreparadas para o enfrentamento dos desafios afligentes que ferem a humanidade simplificam a maneira de os encarar, transferindo para a “vontade de Deus” todas as ocorrências nefastas, sem que, igualmente, com algumas exceções, logrem o conforto moral e a esperança nas suas vítimas.

Ao Espiritismo cabe a tarefa urgente de demonstrar que a criatura humana é autora do próprio destino através dos atos que realiza.

A Divindade estabelece leis morais que atuam nas existências, com a mesma severidade que aqueloutras que regem o Universo e são inalteradas.

Embora Deus seja amor, o dever e o equilíbrio são expressões desse incomparável amor pelas criaturas.

O sofrimento não é um ato punitivo da Divindade, mas uma resposta da Vida ao comportamento malsão de quem se permite 
desrespeito aos supremos códigos.

Por intermédio da reencarnação o Espiritismo explica a lógica de acontecimentos tão funestos.
No caso em tópico, segundo a Imprensa, a Anac havia proibido a viagem programada, mas a fatalidade conseguiu uma maneira de atender ao determinismo cármico, mediante o aluguel de uma outra aeronave boliviana. Alguns sobreviventes e outros, que não puderam viajar por uma ou outra razão, foram poupados da terrível provação, por não fazerem parte do grupo comprometido com as Leis divinas.

Provavelmente essas vítimas resgataram antigo débito moral no seu processo evolutivo e foram reunidas para o ressarcimento coletivo, conforme a responsabilidade do conjunto em algum desmando anterior, de existência pregressa.
Hoje, no mundo espiritual, na condição de vítimas das circunstâncias de que não são responsáveis, encontram-se amparados por Espíritos nobres, que os auxiliarão a encontrar a plenitude. Aos seus familiares e amigos, apresentamos a nossa solidariedade.

Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 1-12-2016.

REUNIÕES PÚBLICAS

Terças - 14 h
DIA
TEMA
EXPOSITOR
DIRIGENTE
06
O nascimento de Jesus
Sylvia Maria
Selma
13
Maria de Nazaré - Boa Nova, lição 30
Ivone Maria
Evalda
20
O  Cristo - ESE, I, 3 e 4
Wilson
Maria Helena
O  Divino Semeador - Antologia Mediúnica de Natal, lição 23
Maria José
27
Algo mais no Natal - Antologia Mediúnica de Natal, lição 77
Alice Maria
Dircileide
Maria de Magdala - Boa Nova, lição 20
Leda Lúcia
Sextas - 20h
02
Joana de Cusa - Boa Nova, lição 15
Nilza Erich
Ângela Vidal
09
Jesus  - Antologia Mediúnica de Natal, lição 66
Walkyria
Heloíse
Amor e renúncia - Boa Nova, lição 12
Nancy Salles
16
Os quinhentos da Galileia - Boa Nova, lição 29
Jorge da Conceição
Walkyria
23
Jesus na Samarina - Boa Nova, lição 17
Ângela Vidal
Gilberto Marques
30
A lição da vigilância - Boa Nova, lição 21
Gilberto Marques
Walkyria
Sábado - 17h:30min
03
Aprendendo com André Luiz
Wantuil  Rodrigues
Sara Castelo
10
Na noite de Natal - Antologia Mediúnica de Natal, lição 20
Antônio
Oliveira
Sylvia Maria
Fidelidade a Deus - Boa Nova, lição 6
Adauto Valverde
17
Bom Ânimo - Boa Nova, lição 8
Sara Castelo
Maria Cristina
24
NÃO HAVERÁ REUNIÃO


31
NÃO HAVERÁ REUNIÃO


25 de nov de 2016

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO VIII
EMANCIPAÇÃO DA ALMA

 

      413. Do princípio de emancipação da alma durante o sono parece resultar que temos, simultaneamente, duas existências: a do corpo, que nos dá a vida de relação exterior, e a da alma, que nos dá a vida de relação oculta. É isso exato?
      — No estado de emancipação, a vida do corpo cede lugar à da alma, mas não existem, propriamente falando, duas existências; são antes duas fases da mesma existência, porque o homem não vive de maneira dupla.
      414. Duas pessoas que se conhecem podem visitar-se durante o sono?
– Sim, e muitas outras que pensam não se conhecerem se encontram e conversam. Podes ter, sem que o suspeites, amigos em outro país. O fato de visitardes, durante o sono, amigo, parentes, conhecidos, pessoas que vos podem ser úteis, é tão freqüente  que o realizais quase todas as noites.
     415. Qual pode ser a utilidade dessas visitas noturnas, se não as recordamos?
      — Ordinariamente, ao despertar, resta uma intuição que é quase sempre a origem de certas idéias que surgem espontaneamente, sem que se possa explicá-las, e não são mais que as idéias hauridas naqueles colóquios.
      416.0 homem pode provocar voluntariamente as visitas espíritas? Pode, por exemplo, dizer ao adormecer: “Esta noite quero encontrar-me em espírito com tal pessoa; falar-lhe e dizer-lhe tal coisa?”
      — Eis o que se passa: o homem dorme, seu Espírito desperta, e o que ohomem havia resolvido o Espírito está, muitas vezes, bem longe de o seguir,porque a vida do homem interessa pouco ao Espírito, quando ele se liberta da matéria. Isto para os homens já bastante elevados, pois os outros passam de maneira inteiramente diversa a sua existência espiritual: entregam-se às paixões ou permanecem em inatividade. Pode acontecer, portanto, que, segundo o motivo que se propôs, o Espírito vá visitar as pessoas que deseja: mas o fato de o haver desejado quando em vigília não é razão para que o faça.
      417. Certo número de Espíritos encarnados pode então se reunir e formar  uma assembléia?
       — Sem nenhuma dúvida. Os laços de amizade, antigos ou novos, reúnemassim, freqüentemente, diversos Espíritos que se sentem felizes de se encontrar.
 Comentário de Kardec: Pela palavra “antigos” é necessário entender os laços de amizade contraídos em existências anteriores. Trazemos ao acordar uma intuição das idéias que haurimos nesses colóquios ocultos, mas ignoramos a fonte.
       418. Uma pessoa que julgasse morto um de seus amigos, que na realidade não o estivesse, poderia encontrar-se com ele em espírito e saber, assim, que   continuava vivo? Poderia, nesse caso, ter uma intuição ao acordar?
       — Como Espírito pode certamente vê-lo e saber como está. Se não lhe foi imposto como prova acreditar na morte do amigo, terá um pressentimento de que ele vive, como poderá ter o de sua morte

31 de out de 2016

REUNIÕES PÚBLICAS

Terças - 14 h
DIA
TEMA
EXPOSITOR
DIRIGENTE
01
O povir e o nada - CI, 1a parte, I
Sylvia Maria
Selma
08
O universo físico é uma realização dos nossos pensamentos
Sônia Brandão
Evalda
15
Defenda-se  -  Agenda Cristã,  cap. 41
Alice Maria
Dircileide
Preces pelos doentes e obsidiados - ESE, XXVIII, 77 a 84
Maria José
22
Medo da morte
Maria Fausta
Sylvia Maria
29
São chegados os tempos - Gn, XVIII
Nilza de Souza
Maria Helena
Sextas - 20h
04
Você mesmo  -  Agenda Cristã,  cap. 42
Walkyria
Ângela Vidal
Dai gratuitamente o que de graça recebeste - ESE, XXVI
Heloíse
11
Teoria da persistência - Gn, XVI
Gilberto Marques
Nancy Sales
18
Paixões - LE, 907 a 912
Karina
Heloíse
25
No teu coração uma semente. Que fruto dará?
Ângela Vidal
Walkyria
Sábado - 17h:30min
05
Aprendendo com André Luiz
Wantuil  Rodrigues
Sara Castelo
12
Ande acima -  Agenda Cristã,  cap.44
Nancy Salles
Sylvia Maria
Maneira de orar. Felicidade que a prece proporciona - ESE, XXVII, 22 e 23
Antônio
Oliveira
19
Predições do Evangelho - Gn,XVII
Marcio Costa
Maria Cristina
26
Fluidoterapia: o passe
Ivone Maria
Walkyria