24 de fev de 2017

Esclarecimento de Bezerra de Menezes sobre as festas de Carnaval

"Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”.
Paulo de Tarso I Coríntios. 6,12


Livro Nas Fronteiras da Loucura, Cap. 6, Manoel Philomeno de Miranda – Divaldo Franco.

“… Grande, expressiva faixa da humanidade terrena transita entre os limites do instinto e os pródromos da razão, mais sequiosos de sensações do que ansiosos pelas emoções superiores. Natural que se permitam, nestes dias, os excessos que reprimem por todo o ano, sintonizados com as entidades que lhes são afins. É de se lamentar, porém, que muitos se apresentam nos dias normais como discípulos de Jesus, preferindo, agora, Baco e os seus assessores de orgia ao Amigo Afetuoso…
“Perdendo-se nos períodos mais recuados, as origens do carnaval podem ser encontradas na bacanalia, da Grécia, quando era homenageado o deus Dionísio. Anteriormente, os trácios entregavam-se aos prazeres coletivos, como quase todos os povos antigos. Mais tarde, apresentavam-se estas festas, em Roma, como saturnalia, quando se imolava uma vítima humana, adredemente escolhida, no seu infeliz caráter pagão. Depois, na Idade Média, aceitava-se com naturalidade: Uma vez por ano é lícito enlouquecer, tomando corpo, nos tempos modernos, em três ou mais dias de loucura, sob a denominação, antes, de tríduo momesco, em homenagem ao rei da alegria…
“Há estudiosos do comportamento e da psique, sinceramente convencidos da necessidade de descarregarem-se as tensões e racalques nesses dias em que a carne nada vale, cuja primeira sílaba de cada palavra compôs o verbete carnaval.
Sem dúvida, porém, a festa é o vestígio da barbárie e do primitivismo ainda reinantes, e que um dia desaparecerão da Terra, quando a alegria pura, a jovialidade, a satisfação, o júbilo real substituírem as paixões do prazer violento e o homem houver despertado para a beleza, a arte, sem agressão nem promiscuidade.”

PROGRAMAÇÃO PARA OS DIAS DE CARNAVAL

TEMA: EDUCA-TE E CONSTRUIRÁS UM MUNDO MELHOR
DATA
HORA
TEMA
EXPOSITOR
DIRIGENTE
25 Sábado
9H
Educar o sentimento para reconstruir o ser.
 LE, 919 e 920 -  ESE, V, 20
Sylvia Maria
Dircileide
26 Domingo
9H
Educar para transformar.
LE, 685 (Nota de Kardec) e LE,798 e 799
Gilberto Marques
Nancy
27 Segunda
9H
Educando os sentimentos em busca do ser integral.
ESE, XVII, 2
Sara Castelo
Ivone
28 Terça
9H
Terra: mundo em transição e escola do coração.
LE,79 a 1019 - ESE, XI, 8 – GE, XVIII, 15
Ivone Maria
Manoel

19 de fev de 2017

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO VIII
EMANCIPAÇÃO DA ALMA
      425. O sonambulismo natural tem relação com os sonhos? Como se pode explicá-lo?                          
       —É um estado de independência da alma, mais completo que no sonho e então as faculdades adquirem maior desenvolvimento A alma tem percepções que não atinge no sonho, que é um estado de sonambulismo imperfeito.
       No sonambulismo, o Espírito está na posse total de si mesmo ; os órfãos  materiais, estando de qualquer forma em catalepsia, não recebem mais as impressões exteriores. Esse estado se. manifesta sobretudo durante o sono; é o momento em que o Espírito pode deixar provisoriamente o corpo, que se acha entregue ao repouso indispensável à matéria. Quando se produzem os fatos do sonambulismo é que o Espírito, preocupado com uma coisa ou outra se entrega a alguma ação que exige o uso do seu corpo, do qual se serve como se empregasse uma mesa ou qualquer outro objeto material nos fenômenos de manifestação física, ou mesmo da vossa mão, nas comunicações escritas. Nos sonhos de que se tem consciência, os órgãos, inclusive os da memória, começam a despertar e receitem imperfeitamente as impressões produzidas pelos objetos ou as causas exteriores, e as comunicam ao Espírito que, também se encontrando em repouso, só percebe sensações confusas e freqüentemente fragmentárias, sem nenhuma razão de ser aparente misturadas que estão de vagas recordações, seja desta existência seja de existências anteriores. É, portanto, fácil compreender por que os sonâmbulos não se lembram de nada e por que os sonhos de que conservam a lembrança na maioria das vezes, não têm sentido. Digo na maioria das vezes, porque acontece também serem eles a conseqüência de uma recordação precisa de  acontecimentos de uma vida anterior e, algumas vezes, até uma espécie de intuição do futuro.
      426. O chamado sonambulismo magnético tem relações com o sonambulismo natural?
      — É a mesma coisa, com a diferença de ser provocado.
      427. Qual é a natureza do agente chamado fluido magnético?
      — Fluido vital, eletricidade animalizada, que são modificações do fluido universal.
      428. Qual é a causa da clarividência sonambúlica?
     — Já o dissemos: é a alma que vê.
     429. Como o sonâmbulo pode ver através dos corpos opacos?
     — Não há corpos opacos, senão para os vossos órgãos grosseiros Já dissemos que, para o Espírito, a matéria não oferece obstáculos, pois ele a atravessa livremente. Com freqüência ele vos diz que vê pela testa, pelo joelho etc., porque vós, inteiramente imersos na matéria, não compreendeis que ele possa ver sem o auxílio dos órgãos, e ele mesmo, pela vossa insistência, julga necessitar desses órfãos. Mas se o deixásseis livre, compreenderia que vê por todas as partes do corpo ou, para melhor dizer, e fora do corpo que ele vê.
      430. Pois que a clarividência do sonâmbulo e a da sua alma ou do seu Espírito, por que ele não vê tudo e por que se engana tantas vezes?
      — Primeiro, não e dado aos Espíritos imperfeitos tudo ver e tudo conhecer: sabes muito bem que eles ainda participam dos vossos erros e dos vossos prejuízos: e, depois, quando estão ligados a matéria., não gozarn de todas as suas faculdades de Espíritos. Deus deu ao homem esta faculdade com um fim útil e sério, e não para que ele aprenda o que não deve saber; eis porque os sonâmbulos não podem dizer tudo.
      431. Qual é a fonte das idéias inatas do sonâmbulo, e como pode ele falar com exatidão de coisas que ignora no estado de vigília, e que estão mesmo acima de sua capacidade intelectual?
      — Acontece que o sonâmbulo possui mais conhecimentos do que lhe.reconheceis, somente que eles estão adormecidos, porque o seu invólucro é bastante imperfeito para que ele possa recordá-los. Mas, em última análise, o que é ele? Como nós, um Espírito, que está encarnado para cumprir a sua missão, e o estado em que ele entra o desperta dessa letargia. Nós já te dissemos repetidamente que revivemos muitas vezes; e essa mudança é que lhe faz perder materialmente o que conseguiu aprender na existência precedente. Entrando no estado a que chamas crise, ele se lembra, mas sempre de maneira incompleta; ele sabe, mus não poderia dizer de onde lhe vem o conhecimento, nem como o possui. Passada a crise, toda a lembrança se apaga e ele volta à obscuridade.
 Comentário de Kardec: A experiência mostra que os sonâmbulos recebem também comunicações de outros Espíritos, que lhes transmitem o que eles devem dizer e suprem a sua insuficiência. Isto se vê, sobretudo, nas prescrições médicas: o Espírito do sonâmbulo vê o mal, o outro lhe indica o remédio. Esta dupla ação é algumas vezes patente e se revela outras vezes pelas suas expressões bastante freqüentes: dizem-me que diga; ou proíbem-me dizer tal coisa. Neste último caso, é sempre perigoso insistir em obter a revelação recusada, porque então se dá lugar aos Espíritos levianos que falam de tudo sem escrúpulos e sem se interessarem pela verdade.
      432. Como explicar a visão a distância, em alguns sonâmbulos?                     
       — A alma não se transporta durante o sono? O mesmo se verifica no sonambulismo.
       433. O desenvolvimento maior ou menor da clarividência sonambúlica   depende da organização física ou da natureza do Espírito encarnado?
       —De uma e de outra; há disposições físicas que permitem ao Espírito libertar-se mais ou menos facilmente da matéria.
       434. As faculdades de que o sonâmbulo desfruta são as mesmas do Espírito após a morte?
       —Até certo ponto, pois é necessário terem conta a influência da matéria, a que ele ainda se encontra ligado.
      435. O sonâmbulo pode ver os outros Espíritos?
      — A maioria os vê muito bem; isso depende do grau e da natureza da lucidez de cada um; mas, às vezes, ele não compreende, de início, e os toma por seres corporais. Isso acontece, sobretudo, com os que não têm nenhum conhecimento do Espiritismo; eles ainda não compreendem a natureza dos Espíritos, o fato os espanta e é por isso que julgam estar vendo pessoas vivas.
 Comentário de Kardec: O mesmo efeito se produz no momento da morte, entre os que ainda se julgam vivos. Nada ao seu redor lhes parece modificado, os Espíritos lhes aparecem como tendo corpos semelhantes aos nossos, e eles tomam a aparência de seus próprios corpos como corpos reais.
      436. O sonâmbulo que vê a distância, vê do lugar em que está o seu  corpo ou daquele em que está a sua alma?
      — Por que esta pergunta, pois se é a alma que vê e não o corpo?
      437. Sendo a alma que se transporta, como pode o sonâmbulo experimentar no corpo as sensações de calor ou de frio do lugar em que se encontra a sua alma, às vezes bem longe do corpo?
      —A alma não deixou inteiramente o corpo, permanece sempre ligada a ele pelo laço que os une, e é esse laço o condutor das sensações. Quando duas pessoas se correspondem entre uma cidade e outra por meio da eletricidade, é este o laço entre os seus pensamentos; é graças a isso que elas se comunicam, como se estivessem uma ao lado da outra.
     438. O uso que um sonâmbulo faz da sua faculdade influi no estado do seu Espírito após a morte?
     — Muito, como o uso bom ou mau de todas as faculdades que Deus concedeu ao homem.

2 de fev de 2017

REUNIÕES PÚBLICAS

Terças - 14 h
DIA
TEMA
EXPOSITOR
DIRIGENTE
07
A paciência - ESE, IX,6
Sylvia Maria
Selma
14
Ocupações dos Espíritos - LE, 558 a 567
Maria Fausta
Dircileide
21
Tema livre
Joaquim Couto
Evalda
28
Carnaval - Reunião Especial às 9h


Sextas - 20h
03
Tema Livre
Eloy Villela
Walkyria
10
Lei da Reprodução
Bianca Cirilo
Ângela Vidal
17
Pelas obras é que se reconhece o cristão - ESE, XVIII, 16
Sérgio Daemon
Nancy Salles
24
A importância da Evangelização Infantil
Ângela Vidal
Heloíse
Sábado - 17h:30min
04
Aprendendo com André Luiz
Wantuil  Rodrigues
Sylvia Maria
11
Gotas de Esperança – lição 212
Elysa
Nancy Salles
Flagelos destruidores - LE, 737 a 741
Antônio Oliveira
18
A fé transporta montanhas - ESE, XIX
Sara Castelo
Maria Cristina
25
Carnaval - Reunião Especial às 9h